Tamanho do texto

Juiz nega pedido da Ordem para atuar em investigação sobre hackers que invadiram celulares de autoridades brasileiras

hacker arrow-options
Pixabay/Reprodução
Investigação sobre hackers não será acompanhada de perto pela OAB


O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, negou nesta sexta-feira (9) pedido feito pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para atuar como assistente no inquérito da Operação Spoofing, da Polícia Federal (PF), que apura invasões de hackers ao celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e de outras autoridades. 

Leia também: Hacker que admitiu invadir celulares é transferido para Presídio da Papuda

Na decisão, o magistrado entendeu que não há previsão legal para que a OAB possa "interferir no inquérito policial como requerido". Para a OAB, a entidade deveria participar do processo para assegurar a integridade das provas obtidas e o amplo acesso dos  advogados à investigação policial sobre os hackers

"Os fundamentos erigidos pelo CFOAB de receio de dissipação de provas de forma a frustrar a efetividade da prestação jurisdicional e a garantia de amplo acesso dos advogados aos elementos de prova coligidos durante a investigação policial, para o ingresso da entidade como assistente no procedimento investigativo em questão, não se sustentam", disse Leite. 

Leia também: Polícia Federal não comprovou participação de amigo de hacker nas invasões

Ao pedir para participar da investigação, a OAB alegou que queria impedir a destruição de provas. A entidade também solicitou o envio de ordens judiciais" à Polícia Federal e ao ministro Moro para evitar o "comprometimento da integridade do material" da investigação. 

A questão da inutilização das provas passou a ser discutida no mês passado, quando, por meio de nota, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, confirmou que teve seu celular invadido. O magistrado disse que foi avisado por Moro que o material obtido nas investigações seria "descartado para não devassar a intimidade de ninguém".

Leia também: PCdoB interrompe campanha com Manuela D'Ávila após episódio com hacker

Na quinta (8), o ministro Sergio Moro negou ter orientado a Polícia Federal a destruir mensagens. Em um documento enviado ao STF, o ministro da Justiça disse que o entendimento de Noronha foi “apenas um mal-entendido quanto à declaração sobre a possível destinação do material obtido pela invasão criminosa dos aparelhos celulares, considerando a natureza ilícita dele e as previsões legais”.

Investigação

Nesta quinta-feira (8), Moro pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) a abertura de investigação sobre o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, pelos crimes de calúnia e difamação. 

No documento encaminhado à PGR, Moro diz que o Ministério Público deve apurar supostos crimes de calúnia, injúria e difamação cometidos por Santa Cruz. Em uma entrevista ao jornal  Folha de S.Paulo , há duas semanas, o presidente da entidade disse que o ministro "banca o chefe de quadrilha" no caso da investigação dos  hackers  que invadiram seu celular.