Tamanho do texto

Em seus depoimentos à PF, Walter Delgatti confirmou ter realizado invasões ao Telegram de autoridades públicas, como do ministro da Justiça Sergio Moro e do coordenador da força-tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol

Walter Delgatti Net arrow-options
Daniel Marenco/Agência O Globo
Walter Delgatti Neto, o 'Vermelho', apontado como o hacker "líder" dos supostos hackers presos na Operação Spoofing


A Polícia Federal transferiu de sua carceragem em Brasília o hacker Walter Delgatti Neto , preso na Operação Spoofing,para o Complexo Penitenciário daPapuda , no Distrito Federal. Delgatti era o único dos quatro presos na operação que ainda estava na carceragem da PF, porque seguiu prestando depoimentos aos investigadores.

Leia também: Polícia Federal não comprovou participação de amigo de hacker nas invasões

 A transferência do hacker ocorreu na manhã desta quarta-feira e foi confirmada pela Subsecretaria do Sistema Penitenciário do DF. Segundo o órgão, Delgatti foi colocado no Centro de Detenção Provisória da Papuda e "ficará separado da massa carcerária".

Em seus depoimentos à PF, Delgatti confirmou ter realizado invasões ao Telegram de autoridades públicas, como do ministro da Justiça Sergio Moro e do coordenador da Lava-Jato Deltan Dallagnol. A PF ainda realiza perícia nos celulares e aparelhos eletrônicos dos alvos e investiga se eles receberam pagamentos pelas invasões.

Leia também: PF cumpre pedido de Moraes  e entrega cópia de inquérito sobre hacker ao STF

Na sexta-feira passada, a 10ª Vara Federal do DF decretou a prisão preventiva dos quatro alvos. Até o momento, as defesas dos outros três presos entrou com pedidos para reverter as prisões . A Defensoria Pública da União argumentou à 10ª Vara Federal que a PF não obteve provas de que Danilo Cristiano Marques teve conhecimento prévio das invasões e que a única evidência encontrada pela perícia foi uma conversa na qual ele questionava Delgatti se as invasões haviam sido realmente feitas por ele.

Leia também: PCdoB interrompe campanha com Manuela D'Ávila após episódio com hacker

Já o advogado Ariovaldo Moreira, que defende Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Oliveira, protocolou habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1ª Região pedindo a revogação da prisão, sob argumento de que os motivos para a preventiva seriam "inidôneos". Procurada, a defesa do hacker não informou se protocolou pedido de liberdade do cliente.