Tamanho do texto

Presidente terá 15 dias para esclarecer declaração polêmica dada em Dallas, nos Estados Unidos. Bolsonaro não é obrigado a se defender

Bolsonaro arrow-options
Jorge William / Agência O Globo - 1.8.19
Bolsonaro terá 15 dias para explicar declaração dada em Dallas.

A ministra Rosa Weber , do Supremo Tribunal Federal ( STF ),  deu um prazo de 15 dias para que o presidente, Jair Bolsonaro , caso queira, esclareça a declaração dele durante viagem a Dallas, nos Estados Unidos, em que afirmou que "quem até há pouco ocupava o governo teve em sua história suas mãos manchadas de sangue na luta armada" . A ministra atendeu a um pedido da ex-presidente Dilma Rousseff .

Leia também: Chanceler francês faz piada com Bolsonaro após ser 'trocado' por corte no cabelo

Bolsonaro deu a declaração na entrega do prêmio personalidade do ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em maio deste ano:

— Quem até há pouco ocupava o governo tinha suas mãos manchadas de sangue da luta armada, matando inclusive um capitão, como eu. Eu rendo homenagem aqui ao capitão Charles Chandler, um herói americano. Talvez um pouco esquecido na história, mas que escreveu sua história passando pelo Brasil — discursou Bolsonaro, sem citar nomes.

Ao recorrer ao STF, a defesa de Dilma quer que Bolsonaro esclareça se a declaração era direcionada à ex-presidente, se a intenção dele foi dizer que Dilma teria matado Charles Chandler; se Bolsonaro sabe quem são os responsáveis pela morte do capitão e possui algum documento que indique qualquer acusação formal contra Dilma sobre fatos que envolvem a morte de Charles Chandler.

Leia também: Juiz determina que a PF envie ainda hoje cópias do inquérito dos hackers ao STF

Rosa Weber é a segunda ministra a pedir explicações para Bolsonaro em menos de uma semana. O ministro Luís Roberto Barroso também deu prazo de 15 dias para que o presidente, caso queira, responda questionamentos feitos pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre a morte do pai do presidente da entidade, Felipe Santa Cruz. Fernando Santa Cruz militava em um movimento revolucionário contrário à ditadura militar e desapareceu enquanto estava sob custódia do estado. A decisão foi tomada na quinta-feira.

À época, Dilma divulgou uma nota rebatendo o presidente: "Declaração mentirosa e caluniosa sobre minha história política".

No discurso, o presidente se referia ao capitão do Exército americano Charles Rodney Chandler, assassinado por grupos de esquerda que participavam da luta armada durante a ditadura militar, em outubro de 1968.