Tamanho do texto

Medida visa atender a decisões de Fux e de Alexandre de Moraes; hackers foram transferidos para a penitenciária Papuda na última sexta-feira

Walter Delgatti Neto arrow-options
Daniel Marenco/Agência O Globo
Walter Delgatti Neto, o 'Vermelho', apontado como "líder" dos supostos hackers presos na Operação Spoofing

O juiz Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, divulgou nota nesta sgunda-feira (5) afirmando que as cópias do inquérito da Operação Spoofing, que apura a ação de hackers contra autoridades, estão em poder da Polícia Federal e devem ser enviados ainda hoje ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia também: Novo embaixador do ecoturismo, Richard Rasmussen coleciona multas ambientais

A medida atende a decisões proferidas na semana passada pelos ministros Luiz Fux e Alexandre de Moraes. O primeiro é relator de ação do PDT que contesta declarção do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, no sentido de que as provas obtidas com os hackers seriam destruídas. Já Moraes é responsável pelo inquérito que apura fake news contra ministros do Supremo.

Os quatro investigados pela invasão ao aplicativo Telegram de diversas autoridades, dentre elas o ministro Sergio Moro e o coordenador da força-tarefa em Curitiba, procurador Deltan Dallagnol, tiveram as prisões temporárias convertidas em preventivas na última quinta-feira (1ª).

Gustavo Henrique Elias Santos e Danilo Cristiano Marques foram transferidos na sexa para o Centro de Detenção Provisória da Papuda, onde foram colocados em celas isoladas, enquanto Suelen Priscila de Oliveira foi encaminhada a uma penitenciária feminina de Brasília. Walter Delgatti Neto , o 'Vermelho', que já admitiu ter promovido as invasões virtuais, permanece na Superintendência da Polícia Federal.

Leia também: Liberação de novos agrotóxicos não traz riscos, garante Tereza Cristina

O inquérito aberto contra os hackers que atuavam no interior de São Paulo corre em sigilo na Justiça Federal em Brasília, sob o encargo do juiz Vallisney de Souza Oliveira, e as informações devem ser mantidas em segredo ao chegarem ao Supremo.