Tamanho do texto

Em nova nota, indígenas afirmam que estão com medo de sair para as roças ou para caçar; MPF diz não ter encontrado vestígios de invasão no local


Indígenas Waiãpi arrow-options
Iphan/Heitor Reali
Índigenas da tribo Waiãpi afirmam terem sofrido invasão que resultou em morte de cacique

Na tarde desta segunda-feira (29), o Conselho das Aldeias Wajãpi – Apina divulgou nova nota, atualizando as informações sobre as investigações policiais na Terra Indígena (TI) Wajãpi. Após o assassinato da liderança Emyra Wajãpi, na semana passada, os indígenas afirmam que seguem apreensivos com a presença de invasores em seu território.

Leia também: MPF diz que não encontrou vestígios de invasão onde líder indígena foi morto

“Continuamos muito preocupados com os invasores que estão na região norte da nossa Terra Indígena . Nas aldeias desta região as famílias estão com muito medo de sair para as roças ou para caçar”, afirmam os Wajãpi.

Também nesta segunda, a Funai afirmou, em nota, que a equipe da Polícia Federal que esteve na terra indígena informou, ontem à noite, “não haver nenhum indício, até o momento, da presença de grupo (s) armado (s) no local”.

Equipes da Polícia Federal e do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) chegaram à terra indígena na manhã de domingo. Os Wajãpi, em sua nota, relatam que os policiais foram até a aldeia Yvytotõ, de onde indígenas fugiram após a chegada de homens armados, e a outro local onde os invasores haviam se escondido, mas que, “quando chegaram lá, não tinha mais ninguém no local, apenas rastros”.

Leia também: Sobe para 57 o número de mortos em presídio de Altamira, no Pará

Os indígenas informam que os policiais não seguiram os rastros dos invasores apontados pelos Wajãpi na mata. Segundo a nota, os policiais afirmaram que a região “é de difícil acesso e que não tinham condições de permanecer lá e dar continuidade às buscas pelas dificuldades de deslocamento e alimentação”.

No sábado, um Gabinete de Gerenciamento de Crise (GGC) foi constituído pelo Ministério Público Federal (MPF), pela PF, pelo Ministério Público do Amapá, pelo Exército, pela Funai e pela Secretaria de da Justiça e Segurança Pública do Amapá para investigar a invasão e o assassinato da liderança na terra indígena.

Segundo o Apina, a polícia já deixou a terra indígena e informou que passará a estudar a região por meio de imagens de satélite e, caso elas identifiquem sinais de garimpo na região, serão feitos sobrevoos de averiguação. Os Wajãpi , por outro lado, reforçam que seguem preocupados com a presença de invasores e pedem apoio da Funai para continuar as buscas no solo.

“Algumas comunidades saíram de suas aldeias para se juntar com famílias de outras aldeias para se sentirem mais seguras. Por isso nossos guerreiros de todas as regiões da TI estão se organizando para ajudar os guerreiros da região do Mariry, que continuam procurando os invasores, e pedimos apoio da Funai para isso”, afirma a nota.

Leia também: ONU e OEA devem notificar governo brasileiro por morte de índio no Amapá

Em manifestação anterior, os indígenas já haviam confirmado a presença de invasores em diferentes aldeias no interior da TI Wajãpi. Eles também afirmaram ter encontrado “rastros e outros sinais” de que a morte da liderança Emyra Wajãpi, ocorrida no dia 23, “foi causada por pessoas não-indígenas, de fora da terra indígena ”.