Tamanho do texto

Briga entre facções rivais causou o tumulto, que teve 16 pessoas decapitadas

Altamira arrow-options
Reprodução
Rebelião no presídio de Altamira, no Pará, deixou ao menos 52 mortos

Uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no Sudoeste do Pará, deixou ao menos 52 detentos mortos na manhã desta segunda-feira. Segundo a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), 16 pessoas foram decapitadas.

Leia também: Juiz fará audiência amanhã para decidir se mantém supostos hackers presos

Os detentos fazem uma rebelião desde as 7h desta segunda-feira. Dois agentes penitenciários chegaram a ser mantidos como reféns, mas foram liberados sem ferimentos. A confusão foi controlada por volta do meio dia. Por se tratar de uma briga entre facções rivais, os presos não fizeram nenhuma exigência.

De acordo com a Susipe, presos do bloco A, de uma mesma facção criminosa, invadiram o anexo do presídio, onde estão custodiados membros de um grupo rival. Uma briga entre as organizações do crime teria motivado a rebelião. Detentos trancaram uma sala e atearam fogo no local. A fumaça então invadiu o recinto e matou pessoas por asfixia, diz a Susipe.

O Grupo Tático Operacional da Polícia Militar do Pará foi acionado. Membros da Polícia Civil, da Promotoria e do Juizado de Altamira também participam da negociação para libertação dos reféns. Neste momento, está sendo realizada uma revista para saber que armas foram utilizadas nos ataques e a recontagem de detentos.

Leia também: Bolsonaro provoca presidente da OAB: "Conto como o pai dele desapareceu"

A Susipe divulgará, até o fim da tarde, uma nota com um balanço sobre a rebelião . Não foi divulgado um número de feridos durante o confronto.