Tamanho do texto

Vítimas sofreram agressões físicas, verbais e sexuais por seguranças da concessionária; valores do acordo estão protegidos por cláusula de sigilo

Jovens arrow-options
Reprodução/TV Globo
Jovens Abusados por seguranças e PMs no Rio

As famílias dos jovens agredidos na estação Maracanã da SuperVia no último dia 7 de julho aceitaram, nesta segunda-feira (22), uma proposta de acordo feita pela concessionária, a pedido da Defensoria Pública do estado.

Leia também: Bandidos usam guindaste para roubar caixa d'água em condomínio do Rio de Janeiro

Na ocasião, os dois rapazes foram abordados por seguranças da SuperVia e por PMs a serviço da concessionária e submetidos a humilhações e agressões físicas, verbais e sexuais. Na ocasião, os jovens foram obrigados a fazer sexo oral um no outro, enquanto eram ameaçados pelos agentes. O abuso foi filmado e as imagens viralizaram em aplicativos de mensagens.

O acordo firmado entre SuperVia e as famílias inclui indenização, apoio psicológico e suporte profissionalizante para as duas vítimas, de 17 e 18 anos, que sofreram agressões verbais, físicas e sexuaia. Os valores acertados não foram divulgados pois estão protegidos por uma cláusula de sigilo. 

De acordo com a Defensoria , as famílias dos jovens e representantes da SuperVia vão assinar o acordo às 15h desta segunda-feira, na sede da instituição, no Centro do Rio de Janeiro. As negociações foram feitas para a compensação dos danos sofridos através de humilhações e agressões às vítimas.

Leia também: Agente penitenciário 'se confunde' e fuzila carro de família no Rio; assista

Dias depois da repercussão do caso, os seguranças da SuperVia foram demitidos e presos e os PMs foram detidos pela Delegacia de Polícia Militar Judiciária (DPMJ). Os jovens chegaram a prestar depoimento na DPMJ. O caso é investigado pela 18ª DP (Praça da Bandeira).