Tamanho do texto

Encontro aconteceu no mesmo dia em que pai e filho foram presos na Praia Grande, litoral de SP, suspeitos de integrar a máfia 'ndrangheta

sergio moro
Marcelo Camargo/Ag Brasil - 1.7.19
Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

O ministro da Justiça e da Segurança Pública do Brasil, Sergio Moro, se reuniu na tarde desta segunda-feira (8) com o procurador nacional antimáfia e antiterrorismo da Itália, Federico Cafiero de Raho.

O encontro de Moro ocorreu pouco depois da prisão pela Polícia Federal de dois cidadãos italianos, Nicola Assisi e seu filho, Patrick , acusados de ligação com a máfia 'ndrangheta’, que controla boa parte do transporte de cocaína entre a América do Sul e a Europa.

Ambos foram presos em um apartamento de luxo em Praia Grande, litoral sul de São Paulo, para fins de extradição. A PF encontrou no imóvel três armas e cerca de 20 quilos em dinheiro em espécie, além de automóveis.

"Recebi hoje [8] no MJPS o procurador nacional antimáfia da Itália, Federico Cafiero. Um dia para comemorar a cooperação entre a Polícia Federal e a Polícia italiana e que levou à prisão no Brasil de Nicola Assisi, o fantasma da Calábria, grande traficante de drogas da 'ndrangheta", escreveu Moro no Twitter.

Segundo nota do Ministério da Justiça, Cafiero agradeceu pela colaboração com as autoridades brasileiras. "É uma obrigação moral eliminar e destruir uma organização criminosa e ter o Brasil como um aliado para isso", disse.

Tanto Moro quanto Cafiero participaram nesta terça-feira (9) do segundo encontro de Coordenação Transnacional no Combate a Organizações Criminosas em Sistemas Penitenciários (El Paccto), iniciativa que reúne países europeus e latino-americanos.

Os Assisi estavam foragidos desde 2014 e foram presos na operação "Barão Invisível", coordenada pela Polícia Federal em Curitiba, em colaboração com a Polícia da Itália e a Interpol.

Leia também:  Preso na Lava Jato, Mario Liebman recebeu R$ 13 milhões em shopping no Rio

"A prisão de Nicola e Patrick Assisi constitui um exemplo do quão importante é a cooperação judiciária e policial para combater de maneira eficaz a criminalidade organizada transnacional", diz uma nota da Embaixada da Itália, em Brasília, após reunião de Moro .