Tamanho do texto

Segundo as autoridades envolvidas na organização, a iniciativa é para evitar possíveis “efeitos colaterais” que uma ação pode ocasionar na cidade

Maracanã
Reprodução
Maracanã será o palco da grande decisão da Copa América 2019 entre Brasil e Peru

Em reunião nesta sexta-feira (5), no Centro Integrado de Comando e Controle do Rio, órgãos de segurança dos governos municipal, estadual e federal decidiram que a Polícia Militar não fará operações em favelas da cidade neste domingo. A informação é da coluna Informe do Dia .

Leia também: Cilindro de GNV explode, destrói posto e deixa três feridos no Rio; assista

Segundo as autoridades envolvidas na organização, a iniciativa é para evitar possíveis “efeitos colaterais” (termo usado no encontro) no mesmo dia da final da Copa América , no Maracanã, entre Brasil e Peru, por causa de possíveis tiroteios entre a polícia e bandidos nas comunidades.

presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro , já confirmaram presença no estádio.

Pedido partiu do Ministério da Justiça

A ideia de cancelar as ações da PM partiu do Ministério da Justiça para não “arranhar a imagem” do Rio em caso de confrontos durante um evento internacional.

Se o Brasil for campeão, Bolsonaro irá ao gramado para levantar o troféu junto com os jogadores. Moro irá ao Maracanã com o filho de 14 anos. O presidente do Peru, Martín Vizcarra, também comparecerá. O show de encerramento será da cantora Anitta.

A capacidade de público do Maracanã é de 78 mil pessoas, mas seis mil lugares ficarão indisponíveis porque as cadeiras estão quebradas.

Leia também: Flávio e PSL definem Rodrigo Amorim como candidato à prefeitura do Rio em 2020