Tamanho do texto

Caso também está sendo investigado pela Justiça Militar e pela Polícia Civil espanhola

Militar
Reprodução
PF abre inquérito para identificar fornecedor dos 39 kg de cocaína a militar da FAB

A Polícia Federal abriu inquérito sobre o caso do segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, integrante da equipe de apoio à comitiva presidencial preso semana passada na Espanha enquanto carregava uma mala com 39 kg de cocaína . O objetivo da investigação é identificar o fornecedor da droga e apurar se a ação do militar faz parte de um esquema maior de tráfico de drogas internacional.

Leia também: FAB faz buscas em imóveis de militar preso com 39 kg de cocaína

O inquérito foi instaurado pela Superintendência da PF no Distrito Federal e vai focar em crimes comuns previstos no Código Penal. O caso também já é alvo de uma outra investigação pelo Ministério Público Militar, uma vez que o tráfico de drogas também é considerado crime militar, a depender das circunstâncias do fato — neste caso, o militar em serviço está sujeito ao crime.

A informação da investigação da PF foi revelada pelo portal G1 e confirmadas pelo jornal O Globo .

Rodrigues foi preso na última terça-feira  (25) no controle aduaneiro do terminal da cidade espanhola de Sevilla, que serviria de parada para a viagem de Bolsonaro ao Japão, onde o presidente participou da reunião do G20. Depois da prisão, a comitiva presidencial mudou a rota para Portugal.

Também há uma investigação em andamento na Espanha. A Polícia Civil local acredita que o destino final da droga era mesmo Sevilha e investiga agora quem pegaria a mala com Rodrigues. Até o momento, as autoridades espanholas tratam o militar brasileiro como uma "mula" do tráfico (pessoa que é paga para transportar drogas).