Tamanho do texto

Garoto de 11 anos foi jogado para fora do imóvel; outras três pessoas também ficaram feridas no acidente; o estado de saúde delas é grave

Um garoto de 11 anos foi arremessada do 6º andar de um prédio na manhã deste sábado (29) após o edifício explodir por pegar fogo no bairro Água Verde, em Curitiba. Além da criança, o incêndio também deixou outras três pessoas feridas. 

Leia também: Prefeito de Osasco é ferido após explosão de fogueira

Prédio após explosão e incêndio em Curitiba
Reprodução/RPC
Explosão aconteceu por volta das 9h30 da manhã e logo as chamas se espalharam, provocando o incêndio

Segundo o Corpo de Bombeiros, as outras vítimas do incêndio incluem uma mulher de 23 anos e dois homens de 27 e 30 anos. A corporação também informou que o menino precisou ser reanimado ao ser lançado do prédio.

O estado de saúde do garoto é grave. Ele foi encaminhado ao Hospital do Trabalhador e teve uma parada cardiorrespiratória. Por volta das 11h30 ele passou por uma cirurgia.

Já os outros acidentados foram levados para o Hospital Universitário Evangélico Mackenzie e o estado de saúde deles também é grave. 

A explosão aconteceu por volta da 9h30 e veio de um apartamento que fica no último andar do prédio e foi registrada antes de o imóvel pegar fogo, conforme informou a Polícia Militar. As paredes desabaram e as chamas tomaram conta de todos os cômodos. 

Segundo a rede de televisão RPC , afiliada da Globo em Curitiba , o major Fernando Machado, do Corpo de Bombeiros, afirmou que o que pode ter sido responsável pelo incêndio foi o uso de um equipamento de impermeabilização. A suspeita se dá porque ele estava sendo utilizado no momento da explosão.  

Na explicação do major, esse tipo de aparato pode acumular gás em um ambiente fechado e causar explosão. Em um primeiro momento, Machado relatou que não há indícios de vazamento de gás, nem no apartamento, nem no prédio. 

Leia também: Justiça do Rio suspende demolição de prédios na Muzema

Em comunicado, a Prefeitura de Curitiba assegurou que após a explosão seguida do incêndio o edifício foi interditado temporariamente pela Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi).