Tamanho do texto

Imagem publicada nas redes sociais de um colégio particular do Espírito Santo revoltou usuários; professor havia se fantasiado para festa junina

Professor capixaba se fantasia de
Reprodução/Instagram
Professor capixaba se fantasia de "Nega maluca" e é acusado de racismo

Uma foto compartilhada nas redes sociais de um colégio particular da Grande Vitória, no Espírito santo, revoltou internautas nesta quarta-feira (26). A imagem mostra um professor da instituição que se pintou de preto e se fantasiou de "Nega maluca" para participar de um evento junino. O homem foi acusado de racismo ao praticar o chamado "black face".

Leia também: Patroa branca registra queixa de racismo contra doméstica em São Paulo

O black face acontece quando uma pessoa usa características raciais como fantasia. Geralmente as pessoas colorem o rosto com tinta preta, como fez o professor , para se parecer com algum personagem em tom de 'brincadeira'.

No Twitter, a discussão sobre o tema ganhou grandes proporções. "Se um professor faz black face na escola e não é repreendido pela equipe e nem os alunos percebem o problema, tem alguma coisa errada com todo mundo", escreveu um usuário.

Leia também: Estudante que gravou vídeo racista é expulso novamente do Mackenzie

"Para aqueles que não entendem o porquê de black face ser racista, aí vai uma explicação: O fato de utilizar-se de estereótipos histórico-sociais negativos para significar o papel do negro na sociedade caracteriza, sim, como racismo, pois reforça o estigma social dos negros no Brasil, pontuou outra pessoa.

Após a repercussão negativa, a imagem foi apagada das redes sociais do colégio, que, por nota, informou que os professores tiveram liberdade criativa para escolher a fantasia para o evento "UP Day Junino".

Leia também: Mulher denuncia racismo após ser acusada de furto em farmácia de Salvador

"Tão logo tomou conhecimento do fato, o professor - que, com certeza, não estava mal-intencionado - foi orientado sobre a questão. O UP se orgulha em ser uma instituição comprometida com o ensino de qualidade, pautado nos mais rígidos controles éticos e na excelência dos seus profissionais e que respeita e apoia as lutas e movimentos pela igualdade de todos", disse a direção da escola.