Tamanho do texto

Foram 35 do Ceará, 22 de São Paulo, 26 do Amazonas em maio e 30 do Pará

Sergio Moro
Pedro França/Agência Senado - 19.6.19
Sergio Moro celebrou a transferência de chefes de facções criminosas para presídios federais

Aos menos 113 chefes de  facções criminosas  de quatro estados diferentes foram transferidos dos presídios locais para penitenciárias federais no primeiro semestre deste ano. Os últimos 30, todos do Pará, foram nesta última semana de junho, em operação que contou com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), conforme anunciou o ministro da Justiça, Sergio Moro , em sua conta no Twitter. Além deles, já foram transferidos 35 do Ceará em janeiro, 22 de São Paulo em fevereiro e 26 do Amazonas, em maio.

Leia também: STF adia julgamento de suspeição de Moro no caso Lula para semestre que vem

Segundo o Ministério da Justiça, as transferências são importantes para isolar bandidos influentes dessas facções criminosas. "Durante a madrugada, a pedido do governo do Pará, o MJSP/DEPEN transferiu 30 lideranças criminosas daquele estado para presídios federais. Agradeço ao competente apoio da FAB. A transferência desarticulou a organização criminosa e preveniu possível rebelião prisional", escreveu Moro .  MJSP é a sigla para Ministério da Justiça e Segurança Pública e Depen é o Departamento Penitenciário Nacional.

Leia também: Em meio a derrotas, iniciativas de aproximação do governo com políticos falharam

No começo do ano, o Ceará foi palco de uma onda de ataques que, segundo o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Ministério Público do estado, foram orquestrados por detentos. Em 9 de janeiro, o Ministério da Justiça informou que 20 presos do Ceará foram transferidos para a penitenciária federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Dois dias depois, outros 15 também tiveram o mesmo destino, totalizando 35.