Tamanho do texto

Deputada foi à Divisão de Homicídios de Niterói acompanhada de um novo advogado para ver o filho Flávio dos Santos Rodrigues, suspeito do assassinato do pai, o pastor Anderson do Carmo, mas não conseguiu

Flordelis com advogados
Estefan Radovicz / Agência O Dia
Flordelis deixa a DH de Niterói acompanhada de novo advogado


A deputada federal Flordelis (PSD-RJ) foi à Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), no início da tarde desta quarta-feira (19), para ver o filho Flávio dos Santos Rodrigues, 38 anos. Ele é suspeito do assassinato do pai, o pastor Anderson do Carmo, e está preso no local. A parlamentar, no entanto, não conseguiu vê-lo.

Leia também: Arma achada no quarto do filho de Flordelis foi usada para matar pastor

Flordelis chegou ao local pouco depois das 12h e saiu antes das 12h30. Ela estava acompanhada de um novo advogado e de dois filhos e levava roupas e comida para Flávio. No entanto, a titular da DHNSGI, a delegada Bárbara Lomba, não deixou e nem a recebeu.

Na chegada à delegacia, a deputada disse que tinha ido apenas que "ver como estão as coisas". Ela negou que tenha sido intimada a prestar depoimento.

Leia também: Polícia vasculha casa da deputada Flordelis em busca de pistas sobre assassinato 

"Vim visitar meu filho . Não acredito no envolvimento deles. Quero que seja feita justiça pela morte do meu marido, seja quem for", ela pediu, ao sair da delegacia, cercada do advogado e um filho, que tentava impedir que ela falasse.

Quanto a arma usada no crime, encontrada em sua nesta terça, Flordelis disse que "não sabia" de sua existência e que "foi uma surpresa". No domingo, ela chegou a dizer que não havia armas na casa.

Leia também: História da deputada Flordelis é marcada por tragédias e foi retratada em filme

A parlamentar também disse que o celular do marido não foi entregue à polícia, pois "não sabe onde está".

O novo advogado da família contratado por Flordelis disse que Lucas dos Santos não confessou o crime. Entretanto, fontes ouvidas pelo DIA disseram que ele falou ter cometido o crime e apontou o irmão Flávio como o mandante.