Tamanho do texto

Apesar do tumulto em Alcaçuz, ninguém ficou ferido; a unidade prisional onde aconteceu motim abriga presos do PCC e é a mesma de rebelião

Fachada da penitenciária de Alcaçuz
Divulgação/SEJUC
Unidade da penitenciária de Alcaçuz onde aconteceu motim tem 950 presos; capacidade é de 402

Detentos do presídio de Alcaçuz, maior unidade prisional do Rio Grande do Norte, fizeram um motim na manhã desta quarta-feira (5). Segundo informações da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), ninguém se feriu.

Leia também: Massacre anunciado

A confusão aconteceu no pavilhão 5 de Alcaçuz , o Rogério Coutinho Madruga, onde estão os presos da facção criminosa Primeiro Comando da Capital ( PCC ). A Sesed divulgou nota minimizando os acontecimentos, e informou que a situação foi controlada “rapidamente pelos agentes penitenciários da unidade”.

Após o motim , no entanto, foi enviado ao complexo penitenciário um efetivo da Polícia Militar para auxiliar a ação do Grupo de Intervenção Penitenciária. De acordo com a Tribuna do Norte, um helicóptero da Segurança Pública também foi usado para monitorar a situação.

Leia também: Mais 17 presos são transferidos de prisões do Amazonas

De acordo com levantamento do Conselho Nacional de Justiça, a unidade onde aconteceu o tumulto abriga 950 presos, mas sua capacidade máxima é de apenas 402 detentos.

O presídio de Alcaçuz , localizado em Nísia Floresta, na grande Natal, foi palco de um enorme massacre no início de 2017 , quando 26 presos foram assassinados em uma rebelião. Na época, atribui-se o massacre a um ataque realizado pelos presos do PCC aos da facção Sindicato do Crime do RN. As autoridades demoraram 14 dias para retormar o controle da unidade.