Tamanho do texto

Enquanto isso, governo flexibiliza a pontuação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e cancela a instalação de oito mil radares em rodovias

Acidente Dutra
Reprodução/TV Globo
Ranking avaliou 178 países sobre o número de mortes causadas por acidentes de trânsito

O programa Bicicleta e Companhia do mês de abril falou sobre violência no trânsito. Segundo o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa a quinta colocação entre 178 países, onde mais se mata em decorrência de acidentes de trânsito. Enquanto isso, o governo brasileiro flexibiliza a pontuação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e cancela a instalação de oito mil radares em rodovias .

Christiane Yared, deputada federal pelo PR do Paraná, partido que apoia o governo federal, tem feito campanha aberta contra as medidas do presidente na internet. Além disso, ela também denunciou na Comissão de Segurança Viária da Câmara que o Brasil gasta todos os anos bilhões com a saúde pública para tratar das vítimas de acidentes no trânsito.

Leia também: Aumento do uso de aplicativos reduz mortes no trânsito, diz pesquisa

Uma despesa que poderia ser evitada, caso o governo promovesse campanhas de educação no trânsito e intensificasse a fiscalização das irregularidades no trânsito , principalmente a alta velocidade .

No programa, representantes da Organização Mundial da Saúde ( OMS ), da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e cicloativistas falaram sobre a situação do trânsito no Brasil e os impactos gerados na economia e na saúde do país por conta da falta de educação e políticas públicas que contribuam para uma melhor convivência nas ruas.

O programa também abordou a Campanha Maio Amarelo, desenvolvida todos os anos pela ONG Observatório Nacional de Segurança Viária, com apoio de empresas e representantes de grupos organizados da sociedade civil. Esse ano o tema é: “No Trânsito, o Sentido é a Vida”.

Por último, Flora Gondim falou sobre o filme “Pedalar é Suave”, feito e dirigido por ela para homenagear Raul Aragão, cicloativista que morreu atropelado em Brasília no ano de 2017. O motorista dirigia a mais de 100 Km/h, numa via onde a velocidade máxima permitida era de 60 KM/h.

Leia também: Prefeitura de São Paulo apreende mais de 100 carros de trasporte por aplicativo