Tamanho do texto

Grupo de evangélicos já impediu que 45 pessoas pulassem da Ponte Newton Navarro, em Natal (RN); segundo voluntários, ação terá fim somente quando órgão público assumir vigilância da via e instalar proteção ao longo da ponte

voluntários ponte
Reprodução/Redes Socias
Voluntários se revezam desde o dia 20 de abril para impedir suicídio em ponte

Diversos voluntários estão se revezando 24 horas por dia, desde o dia 20 de abril, para formar uma barreira na Ponte Newton Navarro, em Natal (RN), e tentar impedir que pessoas cometam suicídio. Segundo o grupo de evangélicos que montou um acampamento no local, a ação terá fim somente quando o poder público assumir a vigilância da ponte e instalar uma proteção na estrutura.

Leia também: Bolsonaro defende retirada de radares pelo “prazer em dirigir"

Somente nesse ano, centenas de pessoas foram até a ponte , que chega a ter 60 metros de distância da água, para tentar cometer suicídio, de acordo com a impressa local. Usando binóculos e coletes, os sentinelas – como são chamados os voluntários – se organizam em pontos estratégicos ao longo dos quase dois quilômetros de extensão da Newton Navarro, a fim de tentar impedir que pessoas se joguem da ponte.

Segundo o idealizador do projeto, nos primeiros 12 dias de vigília, os voluntários conseguiram impedir que 45 pessoas cometessem suicídio . No último sábado (4), os religiosos chegaram a dar um ‘abraço’ simbólico no monumento, formando duas longas filas ao lado da ponte.

Leia também: Reconstrução de ponte que caiu no Pará custará R$ 113 milhões



Leia também: Apreensões de droga sobem quase sete vezes nas estradas federais do Rio

Nesse domingo (5), a Prefeitura de Natal emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso, depois de circular pelas redes sociais um boato que de que o órgão teria cortado a luz elétrica do acampamento montado pelos religiosos ao lado da ponte . Pelo Twitter, a Prefeitura negou a informação e afirmou que “agirá judicialmente, acionando as autoridades competentes para apurar o caso e tomar as providências legais cabíveis, inclusive na esfera judicial”.