Tamanho do texto

Segundo funcionário, diferentemente do que tem sido alegado por diretores e coordenadores da Vale, o comitê executivo da empresa sabia que haviam sido apontados riscos na estrutura das barragens de Brumadinho

Brumadinho
Isac Nóbrega/PR
Diretores da Vale sabiam dos riscos em Brumadinho


Engenheiro de recursos hídricos da gerência de riscos geotécnicos da Vale , Felipe Figueiredo Rocha disse, nesta terça-feira, à CPI de Brumadinho que, em um painel de especialistas, feito pela empresa, foram apresentados riscos relacionados à barragem que rompeu na cidade mineira.

Leia também: Parentes de vítimas de Brumadinho pedem R$ 40 milhões de indenização à Vale

Para ele, diferentemente do que tem sido alegado por diretores e coordenadores da Vale , o comitê executivo da empresa sabia que haviam sido apontados riscos na estrutura. 

"O que eu tenho a comentar é que os riscos foram foram apresentados no painel de especialistas internacional, em que estavam presentes toda a geotecnia operacional, os representantes e lideranças da geotecnia corporativa. No último dia do painel de especialistas, é feito um fichamento em que é apresentado um resumo dos riscos e um resumo das decisões do painel. Nessa reunião de fechamento, estavam presentes o diretor Lúcio Cavalli e o diretor Silmar Silva", disse Rocha.

Leia também: Após quase três meses da tragédia, 32 barragens da Vale estão interditadas

O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) perguntou especificamente sobre o presidente afastado da Vale, Fabio Schvartsman. Ele disse que, à CPI , Schvartsman que "se Felipe quisesse poderia ter alertado a respeito do risco do rompimento de barragens da Vale”.

"Não posso afirmar se as apresentações que foram feitas para o comitê executivo chegaram em sua completude para o Presidente Fabio Schvartsman. Eu trago comigo essa apresentação que foi feita no comitê executivo; também trago a ata de reunião essa apresentação que foi feita no comitê executivo. Também trago a ata de reunião, tanto do Comitê Executivo de Riscos, como do Subcomitê de Riscos Operacionais, que mostram essas barragens nas zonas de atenção", respondeu Rocha.

No mês passado, Rocha e outros funcionários foram afastados da Vale. Ele chegou a ser preso numa operação sobre a tragédia.

Leia também: Número de mortes na tragédia de Brumadinho chega a 228

Nesta terça-feira, a CPI recebeu ainda o engenheiro Arsênio Negro Júnior, auditor da empresa alemã Tüv Süd. Ele foi chamado para responder se a empresa fora pressionada a assinar os laudos de estabilidade das barragens da Vale. Negro Júnior, no entanto, apresentou um habeas corpus para permanecer em silêncio. Ele disse que já prestou “oitivas longas e complexas” à polícia e ao Ministério Público. Completou que foi aconselhado a permanecer em silêncio.

A CPI também ouviu o geólogo César Augusto Paulino Grandchamp, da Vale. Assim como outros funcionários da Vale já ouvidos pela CPI, ele repetiu o discurso de que não sabia de riscos sobre a barragem. Grandchamp assinou a declaração de condição de estabilidade da estrutura. Questionado sobre o fato de o radar da empresa não ter tocado para avisar aos moradores e funcionários sobre o rompimento, ele disse que “a gente ainda está aprendendo a lidar com o radar”. Grandchamp chamou o rompimento de "tragédia que terminou gerando um crime ambiental". E se negou a apontar responsáveis.

"Mas sem o laudo da perícia fica muito difícil... Não tem um dia que eu não pense sobre o que ocorreu. Mais do que qualquer pessoa, eu quero saber. Não tínhamos nada da Vale que nos dissesse que a barragem estava em risco", afirmou, em tom emocionado.