Tamanho do texto

Forte chuva, que castiga a cidade desde a noite da última 2ª, fez oito vítimas fatais até o momento; Marcelo Crivella pediu que pessoas evitem sair de casa

Ônibus passando por alagamento
ELDIO SUZANO/PHOTOPRESS/Agência O Globo
Forte temporal causou diversos transtornos na cidade do Rio

O forte temporal que atinge o Rio há mais de dez horas já fez ao menos dez vítimas fatais, causou diversos estragos, como a queda de mais um trecho da ciclovia Tim Maia, e deixou diversas vias da cidade intransitáveis.

Entre as vítimas do temporal, estão um motoqueiro, que tentou passar pelo aguaceiro que atingiu a Rua Marquês de São Vicente, na Gávea, caiu da moto e foi arrastado pela correnteza. A informação foi confirmada pela Polícia Militar.

Além dele, duas mulheres foram soterradas após um deslizamento no morro da Babilônia, no Leme. Elas chegaram a ser atendidas e encaminhadas para um hospital, mas não resistiram. Nesta tarde, também foi confirmada a morte de um homem no morro da Babilônia.

Outras duas mortes foram confirmada no início da tarde. Um homem morreu eletrocutado em Santa Cruz quando tentava limpar um ralo na casa onde morava. Dois outros homens morreram afogados. Um deles em Santa cruz e outro em Jardim Maravilha, bairros da zona oeste. Um taxista e duas passageiras morreram soterrados dentro do carro na ladeira do Leme.

Leia também: Chuva alaga ruas, arrasta carros e derruba árvores no Rio de Janeiro

O município do Rio está com vários bairros completamente alagados, sem condições de tráfego. Milhares de pessoas estão ilhadas nos terminais rodoviários da cidade, como o Américo Fontenelle, atrás da Central do Brasil, que atende aos moradores que moram na Baixada Fluminense e região metropolitana do Rio.

Na comunidade Rio das Pedras, em Jacarepaguá, a força da correnteza arrastou carros e muito lixo. A chuva forte também atingiu a enfermaria do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, alagando totalmente o andar térreo.

Resgate a barco após temporal

O Corpo de Bombeiros trabalha com barcos resgatando pessoas ilhadas em carros, ônibus e estabelecimentos comerciais, principalmente no Jardim Botânico, uma das áreas mais atingidos da zona sul.

A concessionária Metrô Rio informou que devido ao temporal os três das linhas 1, 2 e 4 da companhia vão estender o horário de funcionamento até 1 h para atender os usuários. Normalmente, o metrô funciona até meia-noite.

Vários bairros da cidade estão com falta de energia, principalmente na Barra da Tijuca, Estrada dos Bandeirantes, em Jacarepaguá, Rio das Pedras, Recreio dos Bandeirantes e Muzema e Itanhangá.

Nova queda na Ciclovia

Devido ao temporal, um novo trecho da Ciclovia Tim Maia desabou na Avenida Niemeyer, em São Conrado. Recentemente, no temporal do início de fevereiro, um outro trecho da ciclovia já havia desabado.

Leia também: Exército atira mais de 80 vezes em carro de família e mata uma pessoa no Rio

O prefeito Marcelo Crivella disse que a Avenida Niemeyer, que está fechada ao tráfego de veículos por medida de segurança, está com várias equipes de limpeza e defesa civil concentrados. Crivella disse que a avenida não será aberta ao tráfego de veículos na parte da manhã. Possivelmente o trânsito só será liberado na parte da tarde, informou o prefeito.

Sirenes acionadas

A Defesa Civil municipal acionou 39 sirenes em 20 comunidades, onde existem riscos de deslizamento, devido ao temporal. As pessoas devem deixar suas casas e procurar os pontos de apoio previamente designados pela prefeitura, como escolas, creches e igrejas.

A Igreja de São José, na Lagoa, está aberta e serve como ponto de apoio para as pessoas que não conseguem se deslocar para casa por causa do temporal . A igreja é um local seguro no bairro da Lagoa e tem um estacionamento que pode ser usado pelos motoristas com dificuldade de deslocamento.