Tamanho do texto

Com três mortes, capital fluminense ficou embaixo d'água ontem; prefeito diz que, sem investimento de Brasília, tragédias serão "recorrentes"

Marcelo Crivella
Fernando Frazão/Agência Brasil
Prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella já disse ter usado verba de outras áreas em programas de prevenção

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), afirmou que cinco mil funcionários da Prefeitura estão trabalhando, na manhã desta terça-feira (9), para amenizar os danos e diminuir os riscos causados pelo forte temporal que atinge o Rio de Janeiro , desde a segunda-feira (8). Chove na capital fluminense há mais de sete horas e  pelo menos três pessoas acabaram mortas. 

O temporal causou diversos estragos, como a queda de mais um trecho da ciclovia Tim Maia, e deixou diversas vias da cidade intransitáveis. Segundo Marcelo Crivella , a chuva deixou 785 pontos sem luz na cidade.

O prefeito ainda afirmou que a cidade recebe pouca verba do governo federal e disse que isso interfere na sequência de tragédias deixadas pelas chuvas na cidade. "Investimento do governo federal? É um empréstimo do governo federal. E empréstimos com juros altos", disse. 

Leia também: Chuva alaga ruas, arrasta carros e derruba árvores no Rio de Janeiro

“Temos milhares de famílias morando em área de risco. Temos 750 mil bueiros que precisam ser limpos constantemente. Agora, os recursos para isso são pequenos. Dependemos de parcerias com o governo federal. A cidade do Rio de Janeiro contribui para o governo federal com R$ 160 bilhões por ano com impostos. E só recebemos de lá para cá, com muita dificuldade, R$ 5 bilhões”, completou o prefeito

Segundo ele, nos últimos três meses, a prefeitura não conseguiu, por exemplo, assinar nenhum novo contrato para construção de novas moradias do programa Minha Casa, Minha Vida, ou para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das encostas. Crivella também reclamou dos altos juros de empréstimos do governo federal para a cidade.

Crivella disse que é preciso rever o pacto federativo e dar mais autonomia para que as cidades possam obter seus recursos.

"Precisamos de investimento, para a gente saber das causas principais das nossas tragédias recorrentes, vai sair prefeito, vai entrar outro prefeito, e a gente vai continuar sem recursos", afirmou Marcelo Crivella.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.