Tamanho do texto

Veículo dirigido por João Adroaldo Tomackeves estava a 40km/h, aponta o relatório; delegado responsável pelo caso diz que acidente foi "fatalidade"

Helicóptero que transportava Ricardo Boechat atingiu caminhão na rodovia Anhanguera
Reprodução/TV Globo
Helicóptero que transportava Ricardo Boechat atingiu caminhão na rodovia Anhanguera

Um laudo feito pelo Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo apontou que o caminhão que colidiu com o helicóptero que levava Ricardo Boechat não estava correndo no momento do acidente. De acordo com o relatório, o veículo estava a 40km/h quando bateu na aeronave, causando a morte do jornalista e do piloto Ronaldo Quattrucci.

Leia também: Câmeras de segurança flagram momento do acidente de Ricardo Boechat

Após sofrer com um problema ainda não identificado, o helicóptero que levava Boechat começou a perder altura, fazendo com que o piloto tentasse um pouso forçado. Quando a aeronave estava perto do chão, acabou colidindo com o caminhão. O motorista João Adroaldo Tomackeves sobreviveu ao acidente sem lesões graves.

Em entrevista ao portal G1 , que teve acesso aos laudos, o delegado Alexandre Marcos Kerckhof Cardoso e Silva, do 46º Distrito Policial (DP), em Perus, onde o caso foi registrado, falou sobre a investigação. "Em análise é o tacógrafo, que é o equipamento que mede a velocidade do automóvel. A velocidade na hora do impacto era de 40 km/h, que é compatível com a via, o limite da via", explicou.

Leia também: Jornalista Ricardo Boechat morre em acidente com helicóptero em São Paulo

"Ele [o motorista] mesmo alega que sequer teve ciência do que aconteceu. Ele foi atingido em cheio, não teve tempo de ver, freou posteriormente ao impacto, e só tomou ciência do que o atingiu depois que foi retirado do caminhão ", completou o delegado, que ainda disse que o motorista não deve ser criminalizado. "Uma fatalidade. O piloto realizou a manobra de emergência e o motorista do caminhão também vinha em velocidade compatível", afirmou.

Boechat tinha 66 anos, era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e tinha uma coluna semanal na revista ISTOÉ . O jornalista nasceu em Buenos Aires, na Argentina, quando o pai Dalton Boechat, diplomata, estava a serviço do Ministério das Relações Exteriores.

Leia também: Helicóptero que levava Boechat estava em situação regular, afirma Anac

Dono de um humor ácido, usava essa característica para noticiar fatos e criticar situações. O tom era frequente nos comentários de rádio, televisão e também na imprensa escrita. Ricardo Boechat deixou mulher, cinco filhas e um filho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas