Tamanho do texto

Cerca de 75 pessoas devem ser removidas e levadas para hotéis na região de Nova Lima e Ouro Preto; Dezesseis famílias já tiveram que deixar suas casas

Remoção de famílias visa prevenção em processo de descomissionamento de barragens
Divulgação/Vale
Remoção de famílias visa prevenção em processo de descomissionamento de barragens

A Vale anunciou por meio de comunicado divulgado na manhã desta quarta-feira (20) que vai retirar cerca de 75 pessoas que vivem próximas a barragens da empresa localizadas em Nova Lima e Ouro Preto. Segundo o comunicado, 60 pessoas devem ser removidas de 19 casas em Nova Lima e outras 15 pessoas sairão de cinco casas em Ouro Preto. Elas serão levadas para hotéis da região.

Leia também: Governo dá prazo para barragens como a de Brumadinho serem desativadas

A medida visa prevenir acidentes durante o processo de descomissionamento de cinco barragens da Vale. As barragens de Vargem Grande, Forquilha I, Forquilha II, Forquilha III e Grupo são do tipo “alteamento a montante”, o mesmo de Brumadinho e Mariana, e já estão inativas.

No último sábado (16), 16 famílias tiveram que deixar suas casas às pressas depois que um alarme da barragem B3/B4 da mina Mar Azul soou.

Na manhã de hoje, os moradores protestaram contra a mineradora no distrito de Macacos, impedindo a entrada dos funcionários. Eles cobram explicações sobre a data de retorno para suas casas e sobre o prazo dos bloqueios nos acessos ao povoado, qua é uma área turística.

A remoção aconteceu porque auditores atestaram a instabilidade da barragem. A classificação de risco é igual a da que se rompeu em Brumadinho no dia 25 de janeiro: Ela baixo risco de ocorrência de acidente, mas alto risco de dano potencial. A Vale informou que a estrutura está sendo monitorada.

Leia também: Vale fecha acordo parcial para atender famílias de vítimas de Brumadinho

Os manifestantes afirmaram que a Vale não deu maiores explicações e não compareceu em reunião com a comunidade. “Até hoje, nós não sabemos de nada. Está todo mundo sem trabalhar. Nossos filhos estão sem escola”, disse um dos moradores.

Por meio de nota, a Vale negou que não tenha havido diálogo. “Desde a evacuação realizada no último sábado (16), a Vale vem mantendo um diálogo transparente e aberto com representantes locais da região de Macacos (MG), de forma a esclarecer possíveis dúvidas dos atingidos e minimizar incertezas", afirmou a empresa.

Leia também: Bombeiros encontram novos corpos e número de mortos em Brumadinho sobe para 169

A mineradora também garante que está providenciando toda a assistência e apoio necessários aos moradores das proximidades das barragens até que a situação seja normalizada. "A Vale colocou à sua disposição hospedagem, alimentação, transporte, medicamentos, vestuário, cesta básica, material escolar, além de uma equipe multidisciplinar formada por psicólogos, assistentes sociais e médicos".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.