Tamanho do texto

Marielle e Anderson foram mortos no Rio, quando saíam de um evento político; O mais provável é que o crime tenha sido cometido por milicianos

A suspeita mais provável é que Marielle Franco tenha sido assassinada a mando de milicianos; O caso corre sob sigilo
Reprodução/Anistia Internacional
A suspeita mais provável é que Marielle Franco tenha sido assassinada a mando de milicianos; O caso corre sob sigilo

As investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, e do motorista Anderson Pedro Gomes completam nesta quinta-feira (14) 11 meses sem conclusão. Eles foram mortos a tiros no centro do Rio de Janeiro após um evento político. Onze meses depois, a autoria do crime ainda é incerta.

Leia também: Deputadas fazem homenagem e criam "corredor Marielle Franco" na Câmara

A principal suspeita é que  Marielle Franco tenha sido assassinada a mando de milicianos. No Rio de Janeiro, grande parte dos territórios mais pobres são comandados pela milícia , grupos paramilitares que atuam de forma armada e ilegal.

O então secretário estadual de Segurança Pública, general Richard Nunes, disse à Agência Brasil, em setembro de 2018, que há indícios que a execução foi cometida por criminosos experientes que sabiam como dissimular as evidências.

As investigações correm sob sigilo. Em dezembro de 2018, o chefe do Departamento de Homicídios da Polícia Civil do Rio, Giniton Alves, disse à Agência Brasil que “o absoluto sigilo das apurações realizadas” é a “maior garantia para o alcance dos autores e mandantes dos crimes investigados”.

Também no ano passado, o então ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou que a Polícia Federal apuraria se agentes do Estado estariam interferindo nas investigações da Polícia Civil. Ele disse que havia indícios relevantes de práticas de corrupção, ocultamento e compra de agentes públicos para impedir a descoberta dos mandantes do crime.

Leia também: Deputado que quebrou placa de Marielle defende PMs que mataram suspeitos no Rio

Para Renata Neder, coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional Brasil, “o assassinato de uma defensora dos direitos humanos não é apenas o assassinato de uma pessoa, é um ataque aos direitos como um todo”. A ONG produziu o relatório “O labirinto do caso Marielle Franco e as perguntas que as autoridades devem responder”, que traz uma lista de mais de vinte perguntas sobre pontos críticos que até hoje não foram esclarecidos.

Marielle e Anderson foram assassinados no cruzamento das ruas Joaquim Palhares, Estácio de Sá e João Paulo I, a pouco mais de um quilômetro da casa da vereadora. Um carro emparelhou com o veículo onde estavam e vários tiros foram disparados contra o banco de trás, justamente onde se sentava Marielle.

Leia também: Operação do Gaeco prende suspeitos de envolvimento na morte de Marielle Franco

Treze atingiram o carro, sendo que quatro disparos atingiram a cabeça da parlamentar e três chegaram até a frente do carro e perfuraram as costas do motorista. Os dois morreram ainda no local. A única sobrevivente foi uma assessora de Marielle Franco . O carro ou os carros usados no crime deixaram o local, sem que os autores do homicídio pudessem ser identificados, pois as câmeras de trânsito que existem na região estavam desligadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas