Tamanho do texto

Estelionatário confessou ter informado à polícia falso desaparecimento da esposa e filha para tentar receber doação de R$ 100 mil anunciada pela Vale

Desastre em Brumadinho já é mais de seis vezes mais mortal que o de Mariana, ocorrido há três anos
Divulgação/Prefeitura de Brumadinho
Desastre em Brumadinho já é mais de seis vezes mais mortal que o de Mariana, ocorrido há três anos

Foi preso neste domingo (3), por tentativa de estelionato, um homem que se passou por familiar de vítimas do rompimento de barragem da Vale em Brumadinho (MG), tragédia que tem ainda mais de 200 desaparecidos .

Daniel Santa Clara comunicou a Polícia Civil que sua esposa e filha haviam desaparecido na ocasião do rompimento da barragem, no último dia 25. Segundo o homem, elas estariam hospedadas na Pousada Nova Estância, que foi completamente destruída pelo mar de lama que se formou em Brumadinho .

Mas Daniel acabou se enrolando quando os delegados pediram mais informações sobre as supostas familiares perdidas e, após perceber que os policiais haviam desconfiado de sua versão, admitiu a tentativa de golpe. 

O homem foi levado à prisão e, com ele, foram localizados documentos falsos como certidões de nascimento e cartões de crédito. Daniel já havia sido fichado na polícia por fraude em vestibular, em 2014.

O estelionatário visava receber a doação de R$ 100 mil anunciada semana passada pela Vale . A companhia está cadastrando representantes de funcionários da mineradora, de trabalhadores terceirizados e de pessoas da comunidade falecidos ou desaparecidos para pagar a quantia extrajudicialmente. O pagamento não tem caráter de indenização.

Leia também: Vale divulga lista de mortos na tragédia de Brumadinho; confira

Para receber a doação, as famílias devem comparecer à Estação Conhecimento de Brumadinho, onde os atendimentos são feitos das 8h às 18h. Apenas um representante poderá se registrar para receber a doação.

De acordo com a Polícia Civil mineira, os familiares das vítimas atingidas pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão também devem comparecer à Academia de Polícia (Acadepol) para coleta de material genético. É importante levar material radiográfico (odontológico e outros) da vítima. 

Leia também: Dez dias na lama: O que já se sabe sobre a tragédia de Brumadinho

Após esse procedimento, o IML entrará em contato com a família por telefone e passará data, hora e local de comparecimento do familiar. A família que ainda não compareceu à Acadepol deve enviar um e-mail para dvibrumadinho@gmail.com, constando nome completo do desaparecido em Brumadinho , data de nascimento, nome da mãe, RG, CPF, bem como o nome e telefone de contato do familiar.