Tamanho do texto

Com chances mínimas de sobreviventes, buscas após tragédia chegam ao oitavo dia; 71 corpos já foram identificados pelas equipes do IML

Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais
Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais


Subiu para 115 o número de mortos em razão do rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG), ocorrido na última sexta-feira (28) . O novo balanço foi divulgado no início da noite desta sexta-feira (1ª) pelas autoridades envolvidas nos trabalhos de buscas na região. Ainda há 248 pessoas desaparecidas e ninguém foi encontrado com vida ao longo desta sexta, que foi o oitavo dia seguido de operações da força-tarefa do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, equipes da própria Vale e voluntários.

As buscas por vítimas do desastre causado pelo rompimento da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, chegaram ao oitavo dia nesta sexta-feira (1). O desastre é apontado por especialistas como a maior tragédia humana da história recente do país. A operação de resgate foi retomada às 4h.

Leia também: Vale cadastra famílias das vítimas de Brumadinho para repasse de R$ 100 mil

Até agora, os números oficiais da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais contabilizaram 395 localizados. A última pessoa a ser resgatada com vida foi encontrada no último sábado (26). Dos 115 corpos resgatados, 71 já foram identificados.

Entenda a tragédia de Brumadinho

Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais
Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
Equipes de resgate em Brumadinho em Minas Gerais

No início da tarde da última sexta-feira (25) uma barragem 1 da Mina do Corrégo do Feijão, que pertence a empresa Vale, se rompeu na cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte. O município foi invadido pela lama e pelos rejeitos de minerio e centenas de pessoas ficaram desaparecidas.

Muitas vítimas são funcionários ou terceirizados da própria Vale, que tinha um complexo administrativo no local. O refeitório da empresa ficava muito perto da barragem rompida e foi totalmente soterrado.

Integrantes do governo federal já admitiram que  não será possível resgatar os corpos de todas as vítimas da tragédia em Minas Gerais. “Este é um episódio de muita gravidade. Algumas pessoas, triste e lamentavelmente, não serão recuperadas", disse o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, após reunião do comitê de crise montado pelo Palácio do Planalto para acompanhar a situação.

Após a tragédia de Brumadinho , dois engenheiros que atestaram a segurança da barragem, além de três funcionários da Vale, foram presos. O governo federal já afirmou que "tomará medidas" para impedir tragédias parecidas e falou em aumentar a fiscalização. Hospitalizado por conta de uma cirurgia, o presidente Jair Bolsonaro viajou à cidade mineira antes de ser internado.