Tamanho do texto

Episódio ocorrido no Rio de Janeiro, próximo à estação Botafogo, repercutiu no Facebook e teve mais de 3 milhões de visualizações em poucas horas

Reprodução/Facebook
"Essa mulher tocou em mim, essa mulher tocou na minha mão. Estão fazendo de propósito", gritou a agressora, responsável pelo episódio de racismo

Usuários do metrô do Rio de Janeiro se revoltaram com um episódio de racismo contra uma passageira negra sentada no vagão. O caso, gravado na última quinta-feira (29) e divulgado nas redes sociais, ocorreu por volta das 15h e gerou muitas críticas ao comportamento da ofensora, que acabou sendo retirada do metrô por seguranças da estação de Botafogo, na zona sul carioca.

Leia também: Mulher negra sofre racismo ao tentar entrar no seu próprio apartamento em SP


O vídeo mostra uma mulher em pé reclamando por ter sido tocada por uma passageira negra, a vítima do caso de racismo . "Eu não quero que ela toque em mim. Eu não quero que essa preta toque em mim", gritou a ofensora. "Essa mulher tocou em mim, essa mulher tocou na minha mão. Estão fazendo de propósito", continuou.

A passageira continuava a ofender a mulher negra, enquanto as outras pessoas presentes no vagão tentavam apaziguar a situação e fazê-la parar de gritar. Ao fundo, é possível escutar que alguns dos passageiros a chamaram de "racista"; outros insistiam para que ela fosse embora do trem.

A partir de determinado momento do vídeo, a agressora começa a dizer frases sem sentido. Isso levou alguns internautas a acreditarem que a mulher talvez estivesse passando por um surto psicótico – o que, de qualquer forma, não justificaria as ofensas. "Hoje é aniversário da minha mãe, e essa não é a minha mãe. Eu não sou parente dela!", esbravejou a passageira.

No vídeo, também é possível ouvir uma outra mulher, que levava uma mala amarela, dizendo que estava dando voz de prisão à agressora. Segundo divulgado pelo jornal carioca Extra , porém, a assessoria de imprensa do MetrôRio informou a vítima preferiu não registrar ocorrência em uma delegacia e seguiu viagem.

Leia também: Marcha das Mulheres Negras protesta contra o feminicídio no Rio de Janeiro

Quando as portas do trem se abriram, os seguranças da metrô foram chamados pelos outros passageiros. A responsável pelo episódio de racismo foi retirada do local para evitar mais transtornos.

Repercussão do caso de racismo

O vídeo do episódio foi parar no Facebook e logo viralizou. A responsável pela publicação, Beatriz Andrade, de 22 anos, explicou que decidiu registrar o ocorrido porque seria sua única forma de ajudar.

Leia também: Vítima de racismo dentro de ônibus em SP desabafa: "Apanhei por ser preta"

"Não quero incentivar ódio, até porque a mulher opressora provavelmente não estava em suas faculdades mentais, mas isso nao é justificativa pra amenizar o estrago que ela fez", disse Beatriz. A postagem sobre o caso de racismo no metrô recebeu cerca de 67 mil compartilhamentos e ultrapassou 3,3 millhões de visualizações até o momento da publicação desta matéria.

    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.