Tamanho do texto

Ao todo, devem ser cumpridos 24 mandados de prisão; grupos atuam nos bairros de São Gonçalo e de Maricá, ambos na região metropolitana do Rio

Além das extorsões e a cobrança das 'taxas de segurança', milícia no Rio explorava ilegalmente os serviços de gás e TV
Divulgação/Polícia Civil - RJ
Além das extorsões e a cobrança das 'taxas de segurança', milícia no Rio explorava ilegalmente os serviços de gás e TV

Oficiais da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) deflagraram, na manhã desta segunda-feira (24), a Operação Gerais, que tem como seu objetivo desarticular milícias que atuam em São Gonçalo e Maricá, na Região Metropolitana do Rio. Mais que uma milícia no Rio, essa operação busca desarticular três grupos de operação ilegal. 

Leia também: PF prende em Foz do Iguaçu terrorista internacional ligado ao Hezbollah

Até as 11h de hoje, 18 pessoas já haviam sido presas. Ao todo, são 24 mandados de prisão que serão cumpridos pelos agentes. A ação contra o esquema de milícia no Rio , que conta com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, também cumpre 52 mandados de busca e apreensão.

De acordo com as investigações, a arrecadação mensal da organização criminosa girava em torno de R$ 100 mil por mês, podendo chegar a R$ 1,2 milhão ao ano. Os grupos são acusados de extorquir moradores e comerciantes de comunidades e de explorar serviços ilegais.

Segundo apuração da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, as quadrilhas assumiam o controle de comunidades antes controladas pelo tráfico de drogas e prometiam levar paz aos comerciantes e moradores.

Leia também: Suspeito por morte de Marielle se torna réu por crime envolvendo milícia

Assim que passavam a controlar o território, porém, cobravam uma taxa de segurança que podia chegar a até R$ 12 mil, pagos por estabelecimentos comerciais. Além disso, eles exploravam ilegalmente os serviços de distribuição de gás de botijão e de TV a cabo clandestina.

Estão na mira da força-tarefa três grupos diferentes. A primeira milícia seria chefiada por um homem chamado Anderson Cabral Pereira, o Sassa, que já estava preso. A segunda, seria a de Luis Claudio Freires da Silva, o Zado, que foi preso hoje cedo. Já a terceira milícia era comandada por Wainer Teixeira Júnior, outro homem que já está na cadeia. 

Leia também: Rio de Janeiro: Tiroteio faz motoristas recuarem pela contramão na Linha Amarela

De acordo com o Ministério Público, uma das quadrilhas atuava nas comunidades do Engenho Pequeno, Zumbi e adjacências, em São Gonçalo; a segunda comandava os bairros de Porto Velho, Porto Novo, Pontal e arredores, também em São Gonçalo; e a terceira milícia no Rio dominava os bairros de Itaipuaçu e Inoã, em Maricá.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.