Marcos Corrêa/PR - 2.5.18
"As coisas estavam caminhando em um ritmo desagradável entre o povo venezuelano e brasileiro", afirmou Michel Temer

Em entrevista à Rádio Jornal , de Pernambuco, nesta quarta-feira (29), o presidente Michel Temer (MDB) declarou que o governo federal pensa em limitar a entrada de venezuelanos em Roraima com o uso de senhas.

Leia também: Mais de 180 venezuelanos são transferidos para São Paulo, João Pessoa e Manaus

“[Hoje] Entram 700 pessoas por dia. Pensamos em colocar senha para entrar 100, 200 pessoas por dia e organizar essas entradas”, disse Michel Temer .

Também nesta manhã, foi publicado no Diário Oficial da União o decreto presidencial que autoriza o emprego das Forças Armadas para a garantia da Lei e da Ordem (GLO) em Roraima.

A autorização vale para algumas áreas específicas, no caso, as faixas de fronteira Norte e Leste, além das rodovias federais, entre os dias 29 de agosto e 12 de setembro.

O decreto foi anunciado na terça-feira (28) pelo presidente Temer, em cerimônia no Palácio do Planalto. Na ocasião, Temer disse que a medida é para dar segurança aos brasileiros que vivem em Roraima e também aos venezuelanos que entram no Brasil pelo estado, fugindo da crise no país vizinho.

Durante a entrevista, o emedebista afirmou que “as coisas estavam caminhando em um ritmo desagradável entre o povo venezuelano e brasileiro”, referindo-se aos ataques de duas semanas atrás a barracas de venezuelanos em Pacaraima.

Em sua conta no Twitter, Temer afirmou que tomou a decisão para “complementar as ações humanitárias que o governo federal promove há vários meses em Pacaraima e Boa Vista”. “Já oferecemos atendimento médico e assistência social. O governo promove também o processo de interiorização para minimizar os impactos do desastre humanitário causado pelo governo da Venezuela”, escreveu ele.

Caberá ao Ministério da Defesa definir a alocação dos meios disponíveis para o emprego das Forças Armadas. Na cerimônia de ontem, o ministro da Defesa, general Silva e Luna, disse que não houve pedido da governadora do estado, Suely Campos, para edição desse decreto, que poderá ter seu período de validade ampliado, caso seja do interesse do poder público.

Você viu?

O efetivo utilizado será aquele que já atua na região, da Primeira Brigada da Infantaria de Selva, lotada em Boa Vista. O emprego militar se dará em um perímetro que engloba as cidades de Pacaraima, que faz fronteira com a Venezuela, e Boa Vista, que têm acolhido os migrantes.

Leia também: Roraima pede ao STF a suspensão temporária da imigração de venezuelanos

Ministro de Michel Temer reconhece crise no estado

Agência Brasil
"Entram 700 pessoas por dia", diz Michel Temer sobre a entrada de venezuelanos em Roraima

De acordo com o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, a GLO é para conter a crise no estado, e não para impedir a entrada de venezuelanos.

Ainda segundo o ministro, dos 600 a 700 venezuelanos que entram diariamente pela fronteira, cerca de 20% a 30% permanecem no país.

Em Boa Vista, ainda vivem nas ruas cerca de dois mil venezuelanos e outros seis mil estão em abrigos no estado. A Polícia Federal estima que entraram no país quase 130 mil venezuelanos, de 2017 até junho deste ano. Desses, cerca de 60% já deixaram o território brasileiro. Os dados atualizados de ingresso de venezuelanos no país devem sair nos próximos dias.

Na semana passada, moradores de Pacaraima expulsaram venezuelanos de barracas e abrigos e atearam fogo a seus pertences, em um protesto contra a presença deles na cidade.

O motivo do conflito, lembrado por Michel Temer em sua declaração, foi o assalto, seguido de espancamento, sofrido por um comerciante local, supostamente cometido por quatro venezuelanos, o que provocou a revolta dos moradores da cidade.

Leia também: Governo enviará 120 militares e 36 voluntários da saúde para Roraima

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários