Tamanho do texto

Após outros indígenas da região denunciarem ameaças de caçadores, a Funai inspecionou a área e achou evidências de tribo isolada no meio da selva

Os índios podem falar a língua pano, que de acordo com a Funai, já foi identificada no Brasil, Peru e Bolívia
Reprodução/Funai
Os índios podem falar a língua pano, que de acordo com a Funai, já foi identificada no Brasil, Peru e Bolívia

A Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgou nesta terça-feira (21) fotos e vídeos inéditos de índios isolados, além de evidências de sua movimentação na região do Vale do Javari, Amazonas, na fronteira entre Brasil e Peru.

Leia também: Apoio de moradores do Rio à intervenção federal segue em queda, aponta Datafolha

Segundo o jornal Folha de São Paulo, as imagens foram feitas por um drone, no ano passado, durante uma das expedições de “Monitoramento da Presença de Índios Isolados no Rio Juruazinho”, que faz parte do compromisso do órgão federal de proteger tribos isoladas.

A Fundação se mobilizou para avaliar a região de difícil acesso após o contato de outras tribos, que suspeitavam de ameaças de caçadores na área. “O uso do drone trouxe segurança para os indígenas e para a equipe da Funai ”, explicou Bruno Pereira, indigenista que faz parte da coordenação de indígenas isolados e de recente contato do órgão.

“A ideia é compartilhar essas cenas com os brasileiros para confirmar a existência deles e a importância de protegê-los. Precisamos fortalecer nosso trabalho na região”, disse ao jornal. Assista ao vídeo com algumas das cenas gravadas no ano passado:

Ainda não se sabe a quantidade exata de indígenas que habitam a região, mas os vídeos do drone mostraram ao menos 16 pessoas, além de revelar três casas comunitárias, chamadas de malocas. Por não haver contato com o grupo, pouco se sabe sobre ele, contudo, a Funai acredita que eles falem a língua pano, já identificada no Brasil, Peru e Bolívia.

Quanto ao objetivo primeiro da expedição, a equipe de fato encontrou “vestígios de presença assídua de caçadores em diversos igarapés afluentes do rio Juruazinho”. Foi realizada uma operação de apreensão e soltura de animais vivos localizados com duas equipes de caça.

Leia também: Mais de mil venezuelanos que estão em Roraima serão distribuídos pelo Brasil

Mais evidências de índios isolados

A equipe da Funai também encontrou outros vestígios de presença de índios isolados na região amazônica
Reprodução/Funai
A equipe da Funai também encontrou outros vestígios de presença de índios isolados na região amazônica


Além disso, após percorrer mais de 300 quilômetros, sendo 120 destes a pé em mata densa, a equipe da Funai também encontrou indícios de movimentação indígena, como machados e canoas feitas a partir de caules de palmeiras.

Além de filmar os índios isolados com um drone, os membros da Funai também encontraram evidências
Reprodução/Funai
Além de filmar os índios isolados com um drone, os membros da Funai também encontraram evidências

Tanto as evidências quanto os vídeos foram gravados entre o norte da Terra Indígena (TI) Mawetek e o limite sul da Terra Indígena Vale do Javari, a segunda maior TI do país.

Leia também: Vítimas de violência, um milhão de indígenas buscam representatividade no Brasil

Ela é ocupada por, pelo menos, seis povos que já estabeleceram contato (Kulina-Pano, Marubo, Kanamari, Matsés e Matis), dois de recente contato (Korubo e Tsohom Djapa) e dezesseis registros em estudo de índios isolados, com 11 já confirmados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.