Tamanho do texto

Neste Dia do Índio, reportagem lembra das mais de 250 etnias que tentam, por meio do comércio, buscar autonomia e diminuir a dependência da Funai

Povos indígenas brasileiros buscam, pela venda de produtos e pelo turismo, conquistar autonomia e independência da Funai
Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil
Povos indígenas brasileiros buscam, pela venda de produtos e pelo turismo, conquistar autonomia e independência da Funai

Muito se fala – ao menos no Dia do Índio , comemorado em todo o 19 de abril – sobre o quanto os indígenas sofrem com ameaças de violência e agressões propriamente ditas, que muitas vezes levam inclusive à morte, no Brasil. Porém, tal violência não ocorre apenas de forma física. Afinal, como se não bastassem os corpos, a cultura, os direitos e as terras dos índios são igualmente violentados no País.

Leia também: Bispo e padres acusados de desviar dízimo deixam a prisão

Hoje, há cerca de um milhão de indígenas de mais de 250 etnias distintas vivendo em 13,8% do território nacional. Em meio às ameaças de violência, riscos de perda de direitos em decorrência da pressão dos latifundiários, mineradoras e usinas, alguns desses povos lutam por mais autonomia, tentando conquistar, com a comercialização de seus produtos e com o turismo, alternativas para diminuir a dependência dos recursos cada vez mais escassos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Em busca de sucesso nessa empreitada, os índios têm como desafio buscar por maior representatividade no Congresso Nacional. Afinal, cabe ao Poder Legislativo criar políticas específicas que deem segurança jurídica para que esses povos consigam o desenvolvimento financeiro do qual sempre foram excluídos.

Números e autonomia indígena

Um levantamento feito pelo Instituto Socioambiental (ISA) aponta que, somente na safra 2017/2018, os índios da etnia Kaiapó do Pará obtiveram cerca de R$ 1 milhão de lucro com a venda de 200 toneladas de castanha. Também a mesma etnia conseguiu obter R$ 39 mil só com a venda de sementes de cumaru, planta utilizada para a fabricação de medicamentos, aromas, e pela indústria madeireira.

Aos Xipaya e Kuruaya, a castanha rendeu, no Pará, R$ 450 mil. Além disso, cerca de 6 mil peças de artesanato oriundo das Terras Indígenas do Alto e do Médio Rio Negro renderam R$ 250 mil aos índios da região. Já os indígenas da TI Yanomami (Roraima e Amazonas) tiveram uma receita de R$ 77 mil com a venda de 253 quilos de cogumelos.

Os exemplos de produções financeiramente bem-sucedidas abrangem também os Baniwa (AM), que venderam 2.183 potes de pimenta, que renderam R$ 46,3 mil. As 16 etnias que vivem no Parque do Xingu obtiveram R$ 28,5 mil com a venda de 459 quilos de mel.

Frente a tais resultados, o presidente da Funai , general Franklimberg Ribeiro Freitas, disse que cabe aos indígenas a escolha do modelo de desenvolvimento a ser adotado.

"A Funai deve apoiá-los para atingir seus objetivos", disse. "Em diversas regiões, os índios estão produzindo visando à comercialização de seus produtos ou mesmo serviços, como o turismo ecológico. Essas experiências mostram que a extração sustentável, a comercialização de produtos e o turismo podem ajudar a ampliar o desenvolvimento das Terras Indígenas", concluiu.

Direitos dos índios e a violência

A reportagem da Agência Brasil procurou o antropólogo e professor da Universidade de Brasília Stephen Baines, que afirmou que os índios são preteridos na relação com os empresários e donos de terras.

“Há uma desproporção absurda no Legislativo brasileiro a favor daqueles que querem o retrocesso dos direitos dos povos indígenas, previstos na Constituição de 1988 e na legislação internacional”, disse.

“Temos atualmente um Congresso Nacional extremamente conservador que representa – por meio de parlamentares ligados à bancada ruralista, ao agronegócio, às empresas de mineração e aos consórcios de mineração e de usinas hidrelétricas – a maior ameaça e o maior ataque aos direitos dos povos indígenas", afirmou o antropólogo.

Segundo Baines, é difícil para os índios planejarem grandes voos do ponto de vista de recursos, sem que, antes, seja resolvida a questão da gestão territorial, o que inclui a segurança jurídica que só é possível a eles após terem suas terras demarcadas e homologadas.

Leia também: Teto do refeitório de escola cai e deixa 20 feridos no interior de São Paulo

“É fundamental que se tenha respeito pelos índios e pela sua forma de viver e produzir. Para tanto, é necessária a efetivação dos direitos previstos tanto na Constituição como pelas convenções internacionais”, disse Baines citando convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos dos povos indígenas.

Stephen Baines afirmou ainda que a violência contra os índios ainda é intensa em várias comunidades, como nos estados do Pará, Mato Grosso e Roraima. “Há muitas ameaças contra os índios, feitas por latifundiários, empresas e pelos capangas, que matam lideranças locais que lutam pelos seus direitos. Quer saber onde os índios correm mais riscos? Basta olhar para as terras indígenas que estão próximas a latifúndios”, disse.

Marco temporal

O antropólogo alertou sobre "marco temporal", medida que divide opiniões, busca produzir a área das terras indígenas, colocando como referência para as demarcações as terras que estavam ocupadas na época em que a Constituição foi promulgada [1988], ou seja, quando os "indígenas foram removidos e expulsos de suas terras em todo o Brasil”.

Neste cenário, as manifestações indígenas ganharam mais força, como o caso do Acampamento Terra Livre, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Formado em 2004, é a maior mobilização de povos indígenas do país. Em 2017, mais de 3 mil indígenas de 200 povos participaram da manifestação em Brasília.

No próximo dia 23, haverá a 15ª edição da mobilização, em Brasília, em defesa da manutenção e efetivação dos diretos dos povos indígenas.

Mais demandas

Os diversos grupos indígenas apelam por mais mecanismos de segurança jurídica para o desenvolvimento e comercialização de seus produtos. “A segurança jurídica não pode ficar restrita a grandes grupos econômicos. Além de ter seus direitos respeitados e a liberdade para explorar as terras como acharem melhor, os indígenas precisam também de incentivos para produzir, respeitando seus próprios modos de produção”, argumentou Stephen Baines

Segundo o antropólogo, o conhecimento tradicional sobre a relação com o ambiente faz parte dos produtos indígenas e, ao mesmo tempo, valoriza a questão ambiental. “Não há dúvida de que o fato de serem feitos por indígenas dá ao produto um diferencial, por serem ecologicamente seguros. Inclusive há lojas na Europa muitas lojas que vendem produtos industrializados como sendo indígenas. Alguns até usam uma pequena quantidade de óleo de castanha kaiapó para associar a imagem do produto à ideia de produção sustentável em suas campanhas de marketing”.

Crianças da Reserva Índigena Guarani do Rio Silveira, com futuro incerto: cotas indígenas no ensino superior não é lei
Elaine Leme/cidadeecultura
Crianças da Reserva Índigena Guarani do Rio Silveira, com futuro incerto: cotas indígenas no ensino superior não é lei

Em menor escala, a forma de produção indígena é bastante diferente da exploração industrial, que, segundo ele, é desastrosa e provoca impactos ambientais irreversíveis. “Quando eles optam pela mineração, eles o fazem por meio de uma maneira própria de garimpagem em pequena escala. Extraem somente o necessário, pensando nas gerações futuras. Não querem empresas porque sabem que elas tiram tudo de uma vez, não deixando nada para o futuro”.

Para Baines, é importante a adoção de cotas indígenas no ensino superior, como fez de forma pioneira a Universidade de Brasília (UnB). Em 2017, havia 67 alunos indígenas de 15 povos. Destes, 42 faziam graduação e 25 pós-graduação.

Política

O assessor parlamentar da Funai Sebastião Terena disse que as lideranças indígenas têm trabalhado também para ampliar a representatividade de índios na política brasileira nas eleições de 2018, em especial no Congresso Nacional. As dificuldades, no entanto, não são poucas. Na história do Parlamento brasileiro, o único indígena eleito foi Mário Juruna, em 1982, para a Câmara dos Deputados.

Pelos dados de Terena, há apenas 117 vereadores indígenas cumprindo mandato em 25 unidades federativas, além de quatro prefeitos e um vice-prefeito. “Apesar da falta de recursos e de infraestrutura, pela primeira vez teremos pré-candidatos indígenas em pelo menos 10 estados e no Distrito Federal”, disse Terena à Agência Brasil. A definição dessas candidaturas deve ocorrer em julho.

O antropólogo Stephen Baines lamenta que “apenas uma pequena minoria de parlamentares luta pelos direitos indígenas”. “Em parte, isso se explica porque muito do dinheiro do agronegócio e das empresas e consórcios acaba sendo usado em campanhas eleitorais das bancadas contrárias aos povos indígenas. E muito provavelmente parte do financiamento vantajoso que é direcionado ao agronegócio acaba servindo também para financiar as campanhas dessa bancada que faz de tudo para inviabilizar candidaturas indígenas”, acrescentou.

Leia também: Presidente do Metrô, secretário e mais sete viram réus por improbidade em SP

Na avaliação de Baines, a data de hoje é importante não só para o protagonismo dos indígenas , mas também para chamar a atenção das pessoas interessadas na defesa dos seus direitos.

* Com reportagem e informações da Agência Brasil.