Tamanho do texto

Indiciados são representantes da GWA System e da Dream Factory, empresas responsáveis pela instalação de câmeras em postes que pode ter provocado o choque que matou Lucas Antônio Lacerda da Silva, de 22 anos

Lucas Antônio Lacerda da Silva, de 22 anos, morreu após choque elétrico durante o pré-carnaval de rua de São Paulo
Reprodução/ Facebook
Lucas Antônio Lacerda da Silva, de 22 anos, morreu após choque elétrico durante o pré-carnaval de rua de São Paulo

Quatro pessoas foram indiciadas pela Polícia Civil de São Paulo por conta da morte do jovem Lucas Antônio Lacerda da Silva, de 22 anos , após choque elétrico durante o pré-carnaval de rua de São Paulo, em 4 de fevereiro deste ano. Os indiciados são representantes de duas empresas contratadas pelo município para organizar e monitorar o carnaval de rua.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o caso será relatado à Justiça como homicídio culposo (sem intenção de matar). O jovem chegou a ser resgatado na Rua Matias Aires, no bairro Consolação, ao lado de um poste semafórico da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), durante o pré-carnaval de rua, e encaminhado para a Santa Casa de São Paulo, mas não resistiu.

Na ocasião, já havia suspeita de que câmeras instaladas pela GWA System para monitoramento do carnaval tivessem provocado o choque elétrico no jovem. A empresa foi contratada pela Dream Factory, vencedora da concorrência da prefeitura de São Paulo para promover o carnaval na cidade.

Em nota, a Dream Factory diz que “recebeu, com indignação, a informação do indiciamento de seus colaboradores, no tocante ao risco de terem assumido a produção do carnaval de rua da prefeitura de São Paulo, uma vez que, após seis meses de investigação, diversos depoimentos e provas foram anexadas ao inquérito em sentido contrário”. A GWA System ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Leia também: Assassinato de Marielle completa três meses: "vamos seguir na luta", diz viúva

Morte de folião

De acordo com o Corpo de Bombeiros, Lucas foi resgatado na Rua Matias Aires, no bairro Consolação, ao lado de um poste semafórico da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e encaminhado para a Santa Casa de São Paulo.

Segundo a Santa Casa de São Paulo, o paciente deu entrada no dia 4 de fevereiro, sendo reanimado no local do acidente e no transporte para a Santa Casa de São Paulo. Ao dar entrada no pronto-socorro apresentava parada cardiorrespiratória sendo mantida as manobras de reanimação por 30 minutos sem resposta. O óbito foi constatado às 19:01h.

Leia também: Cobra é transportada em vagão de metrô e choca passageiros na estação Tatuapé

Na época, a CET destacou, por meio de nota, que as câmeras instaladas no poste, durante o pré-carnaval de rua,  “não pertencem à companhia”. Além disso, a CET e o Ilume (Departamento de Iluminação Pública) ressaltaram que não foram consultados nem autorizaram a instalação das câmaras.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.