Tamanho do texto

Com fluxo de caminhões quase nulo durante 11 dias, sindicato calcula perda que pode ultrapassar R$ 1,5 bilhão; caminhoneiros liberaram porto ontem

Prejuízo no porto de Santos chegou a R$ 1,5 bi, estima Sindamar neste sábado (2)
Wikimedia Commons
Prejuízo no porto de Santos chegou a R$ 1,5 bi, estima Sindamar neste sábado (2)

Novo levantamento feito pelo Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar) neste sábado (2) estima um prejuízo de ao menos R$ 1,54 bilhão (ou US$ 410 milhões) ao Porto de Santos, no litoral de São Paulo, após a greve dos caminhoneiros, que durou 11 dias. As informações são do jornal  Folha de S. Paulo. 

Leia também: Porto de Santos é liberado por manifestantes após 11 dias de bloqueio

Ainda segundo o Sindamar, as perdas podem ultrapassar esse valor, uma vez que fizeram “um cálculo conservador”. Na primeira estimativa realizada pelo sindicato, divulgada na quarta-feira (30), o setor de navegação no Porto de Santos poderia perder algo em torno de R$ 376 milhões – o que, posteriormente, foi bastante aumentado.

O porto só foi completamente liberado pelos caminhoneiros na madrugada da sexta-feira (1º), quando ainda restavam 1,6 mil manifestantes no local. A decisão de desbloquear o porto aconteceu depois de uma assembleia entre as associações e o governador de São Paulo, Márcio França.  Na ocasião, França destacou o diálogo entre as partes como “o melhor caminho para enfrentar as crises”.

Leia também: Acidente entre carro e ônibus deixa ao menos três mortos e dois feridos na Dutra

Apesar da retirada dos bloqueios e do fim das manifestações , a Polícia Militar, as tropas do Exército e da Marinha – que já estavam no porto desde a quarta-feira – continuaram no local, a fim de fazer segurança e evitar novas manifestações.

Novas preocupações no Porto

Ao jornal Folha de São Paulo, o diretor-executivo do Sindamar, José Roque, disse que existe a preocupação de que se formem filas muito grandes de caminhões no porto, uma vez que “exportadores têm pressa de retirar os contêineres vazios de lá”. De acordo com ele, “tem muita carga depositada, [que] atrapalha a parte operacional”.

Leia também: Ministro nega articulação para nova greve dos caminhoneiros na semana que vem

“Isso afetou toda a cadeia logística do comércio exterior e são prejuízos difíceis de serem recuperados”, explicou. 

De acordo com José Roque, o Sindamar calcula que mais de 500 mil toneladas de cargas deixaram de embarcar no Porto de Santos durante a greve dos caminhoneiros.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.