Tamanho do texto

Thiago Macaco é acusado de matar o assessor de Marcello Siciliano e é citado no depoimento de testemunha-chave no caso da morte da vereadora

Quinta vereadora mais votada no Rio, Marielle Franco denunciava violência policial e morreu aos 38 anos de idade
Reprodução/Youtube
Quinta vereadora mais votada no Rio, Marielle Franco denunciava violência policial e morreu aos 38 anos de idade

Citado no depoimento de uma testemunha-chave no caso da execução da vereadora Marielle Franco (Psol) e seu motorista, Anderson Gomes – ocorrida no dia 14 de março deste ano –, Thiago Bruno Mendonça, conhecido como Thiago Macaco, 33 anos, foi preso na tarde desta terça-feira (30), na zona norte do Rio de Janeiro. 

Leia também: 'Quantos mais têm de morrer?', desabafou Marielle um dia antes de ser executada

A prisão de Thiago Macaco  ocorreu em ação de policiais da Delegacia de Homicídios da Capital, em uma loja do Shopping Nova América, em Del Castilho. O mandado de prisão foi expedido pela 2ª Vara Criminal. As informações são do jornal O Globo.

Thiago Macaco é preso pela polícia do Rio por relação com a morte da vereadora Marielle Franco
Divulgação
Thiago Macaco é preso pela polícia do Rio por relação com a morte da vereadora Marielle Franco

O mesmo homem é acusado de  matar Carlos Alexandre Pereira Maria, 37 anos, colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS), que foi encontrado morto a tiros dentro de um carro, na Taquara, no início de abril. 

Testemunha depôs contra Thiago Macaco

A testemunha-chave, sem nome revelado, que citou Thiago em seu depoimento, afirmou que ele teria sido o responsável pela clonagem do Cobalt prata, usado pelos assassinos para matar Marielle Franco. 

O carro usava uma placa clonada de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Porém, a placa é do veículo de outra pessoa. Até hoje, a polícia não conseguiu chegar ao carro utilizado pelos criminosos.

Essa testemunha, que é um ex-miliciano, teria dito ainda que o homem preso nesta terça seria ligado a Orlando de Curicica, chefe da milícia da Boiúna, que está atualmente detido. Os dois teriam participado da execução de Marielle porque ela estaria "atrapalhando os negócios do grupo na zona oeste do estado fluminense".

São esses mesmos negócios que, segundo a testemunha, interessariam ao vereador Siciliano – citado como envolvido na morte da parlamentar, apesar de negar as acusações. 

Leia também: Vereador está por trás da morte de Marielle Franco, diz testemunha

Além de Thiago Macaco , os policiais já prenderam temporariamente Rondinele de Jesus Da Silva, o Roni. Agora, eles estão à procura de Ruy Ribeiro Bastos, 38 anos, apontado como um dos executores do assassinato da parlamentar. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.