Tamanho do texto

Governo e Petrobras falam sobre "abastecimento gradual", destacando pontos que já operam "com normalidade", especialmente nas regiões centro-oeste, norte e nordeste; rodovias em São Paulo são liberadas pelo Exército

Governo cita 53% de regularização no reabastecimento com rodovias e Porto de Santos liberados
Vladimir Platonow/Agência Brasil - 26.5.18
Governo cita 53% de regularização no reabastecimento com rodovias e Porto de Santos liberados

Depois de nove dias intensos de greve dos caminhoneiros por todo o País, a situação do abastecimento amanheceu com um pouco mais de normalidade nesta quarta-feira (30). Em entrevista coletiva, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Sérgio Etchegoyen, garantiu que o reabastecimento de combustível dobrou em relação à terça-feira (29), um salto de 18 milhões de litros para 36 milhões.  

Ainda segundo Etchegoyen, a normalidade na distribuição de combustíveis chega a 53% hoje. O diesel continua sendo prioridade nesse momento, especialmente para casos emergentes e urgentes, como o transporte de medicamentos. “Não temos tudo em todos os postos, é um processo lento para repor os estoques, para realizar o reabastecimento , mas caminhamos para a normalidade” disse.

A Petrobras Distribuidora (BR) também falou sobre a situação de reabastecimento hoje. Em nota, informou que isso será feito de forma gradativa em todo o Brasil. Para a estatal, alguns pontos – sobretudo nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste – já operam “dentro da normalidade”. Já aeroportos secundários e aqueles nas regiões Sul e Sudeste ainda apresentam restrições à circulação.

Segundo a BR, até a normalização das operações da subsidiária, “as bases da companhia continuarão operando em regime especial, inclusive no feriado e nos finais de semana”.

Estradas paulistas e Porto de Santos livres para abastecimento

Em ação conjunta, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Exército, a Força Aérea Brasileira e a Polícia Militar de São Paulo desmobilizaram pontos de bloqueios nas rodovias paulistas que ainda estavam ocupadas por caminhoneiros. A Rodovia Régis Bittencourt, que liga São Paulo aos estados do Sul, começou a ser desbloqueada logo pela manhã com a chegada do Exército.

Leia também: Petroleiros fazem greve e Exército dispersa atos remanescentes de caminhoneiros

Até então, havia pontos bloqueados nos quilômetros 279 ao 280 (Embu das Artes), 384 ao 385 (Miracatu) e 476 ao 477 (Jacupiranga). No sentido São Paulo, aconteciam manifestações nos trechos de Campina Grande, do km 68 ao km 67; Embu das Artes, do km 280 ao km 279; e Jacupiranga, do km 477 ao km 476. 

Outras rodovias liberadas em São Paulo são a Presidente Dutra, que vai até o Rio de Janeiro, sendo que restaram somente alguns pontos de manifestação em postos de serviço e acostamento – portanto, segundo a concessionária NovaDutra, está completamente liberada. Nas rodovias Anhanguera e Bandeirantes, que liga a capital ao interior de SP, não há registros de manifestantes ou bloqueios nos dois sentidos. A mesma situação é registrada nas rodovias Fernão Dias, que liga São Paulo a Minas Gerais; Castelo Branco e Raposo Tavares.

As rodovias Anchieta e Imigrantes, que ligam a capital ao litoral, já estavam sem pontos de bloqueio ou manifestação na manhã de hoje, então não foi necessária a intervenção do Exército. Ontem à tarde, a Força Tática da Polícia Militar utilizou bombas de gás para dispersar caminhoneiros que estavam parados no acostamento do km 23 da Rodovia Anchieta, em São Paulo.

Leia também: Prefeito de São Paulo encerra estado de emergência no município

Na coletiva, Etchegoyen adiantou também que as Forças Armadas estão liberando completamente o acesso ao Porto de Santos, o maior da América Latina. "Isso será resolvido hoje", garantiu.

A Petrobras destacou a importância das desobstruções das estradas, vias de acesso e portarias de bases de distribuição, além do apoio das Forças Armadas na escolta dos comboios de caminhões-tanque para que a situação volte ao “normal” no País com um " reabastecimento gradual".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.