Tamanho do texto

Marun afirmou que o governo aplicará multa de R$ 100 mil por hora a donos de transportadoras paradas e disse que há "convicção" de que houve locaute

Ministro Carlos Marun disse que ações do governo pela normalização do abastecimento no País tiveram
Alan Santos/PR - 15.12.17
Ministro Carlos Marun disse que ações do governo pela normalização do abastecimento no País tiveram "resultado positivo"

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, anunciou neste sábado (26) que o governo passará a aplicar multas no valor de até R$ 100 mil por hora para caminhoneiros e donos de transportadoras que seguirem com a greve da categoria, que entrou hoje em seu sexto dia .

Em pronunciamento feito após reunião da cúpula da gestão Michel Temer, Carlos Marun  disse que as  primeiras ações do governo para desbloquear rodovias e normalizar a situação de abastecimento no País tiveram "resultado positivo". Mesmo assim, o ministro reconheceu que ainda há "situações graves" – que, segundo ele, o governo espera normalizar ao longo do dia – e renovou o apelo para que os caminhoneiros retomem suas atividades, num "gesto de boa vontade".

"Nós temos um acordo e esse acordo é uma proposta para todos os caminhoneiros do nosso País. É uma proposta vantajosa e nós não encerramos o diálogo. Nós renovamos o apelo no sentido de que retomem a sua atividade e cumpram com a sua missão, o seu dever, de bem abastecer a população brasileira", afirmou.

Pedidos de prisão

O ministro afirmou que o governo "tem convicção de que existe um locaute", que é a  prática ilegal configurada na ação de patrões de determinada categoria em se negar a dar condições de trabalho aos funcionários para, desse modo, usar uma paralisação em interesse próprio. Marun revelou ter sido informado pelo diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, de que a PF já enviou pedidos de prisões à Justiça contra investigados por essa prática.

"O governo começará a aplicar multas no valor de R$ 100 mil por hora parada para os donos das transportadoras. Nós temos a convicção que existe um localte. A Polícia Federal já tem inquéritos abertos para investigar essas suspeitas. Os empresários serão intimados e já existem pedidos de prisões que estão aguardando manifestação da Justiça", disse o ministro.

"Estoques diminutos" na área da saúde

De acordo com Marun, o presidente Michel Temer, que participou da reunião nesta manhã, está especialmente preocupado com a situação dos serviços de saúde. "Temos os principais hospitais do País em funcionamento, mas seus estoques são diminutos e existe neste momento uma grande preocupação. Foi determinada a aplicação de multa imediata aos caminhões que estejam transportando insumos da área da saúde e estejam parados em função do movimento", anunciou.

O pronunciamento do chefe da Secretaria de Governo se dá no dia seguinte à  autorização de Temer para as Forças Armadas atuarem no desbloqueio de rodovias interditadas pelos grevistas. Marun afirmou que o governo pode vir a contratar motoristas para remover os caminhões da pista.

"A crise se resolve no momento em que o caminhoneiro voltar a cumprir a sua missão de transportar as mercadorias imprescindíveis para a população. O fato de desbloquear é positivo, mas a permanência dos caminhões parados não é solução", ponderou.

Como exemplos dos "resultados positivos" já alcançados pelo fim da crise, o ministro citou o abastecimento das termelétricas de Roraima e Rondônia, e dos Aeroportos de São Paulo (Guarulhos), de Porto Alegre, do Rio de Janeiro e de Viracopos (Campinas).

Leia também: Acionar Forças Armadas é "apagar o fogo com gasolina", dizem centrais sindicais

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.