Tamanho do texto

Segundo confirmou o secretário de Segurança Pública de São Paulo nesta quinta-feira, o espaço era ocupado por uma família de quatro pessoas; o curto-circuito começou em tomada com vários aparelhos conectados

A própria moradora confirmou o curto-circuito e incêndio no apartamento, em que o pai e uma criança ficaram feridos
Corpo de Bombeiros de São Paulo
A própria moradora confirmou o curto-circuito e incêndio no apartamento, em que o pai e uma criança ficaram feridos

O incêndio que causou o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, na última terça-feira (1º), foi causado por um curto-circuito em uma tomada do quinto andar. Segundo confirmou o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, nesta quinta-feira (3), o espaço onde o incidente teve início era ocupado por uma família de quatro pessoas.

Leia também: Edifício vizinho ao que desabou em São Paulo teve danos e corre risco de colapso

A própria moradora relatou que houve curto-circuito, em que o pai e uma criança ficaram feridos com queimaduras. “Começou a pegar fogo atrás da geladeira, onde ficavam ligados a televisão, a geladeira e o micro-ondas”, contou Walkíria Camargo do Nascimento. O secretário de Segurança Pública do estado confirmou a versão da sobrevivente ao incêndio no edifício no centro da capital paulista.

“Não foi uma briga de casal [como chegou a ser cogitado inicialmente], o que aconteceu foi a fatalidade, em um prédio que tinha diversas irregularidades, essa tomada ligava três aparelhos, terminou vitimando a família que ocupava esse cômodo”. O secretário disse que a mãe, que já foi ouvida pela polícia, conseguiu salvar o outro filho, um bebê.

Leia também: Prédio de 24 andares desaba após incêndio de grandes proporções no centro de SP

Barbosa Filho ainda acrescentou que as duas vítimas que estavam no apartamento do quinto andar foram encaminhadas para a Santa Casa e para o Hospital das Clínicas. A criança, de 3 anos, está em estado grave. Ela foi socorrida pelo pai, quem tem dois terços do corpo queimados. “Mas ele está em uma situação aparentemente melhor que a da criança”, informou o secretário.

Leia também: Tenente dos bombeiros diz ser improvável ter sobrevivente em escombros de prédio

O Corpo de Bombeiros considera que há quatro vítimas sob os escombros. Segundo a corporação, as chances de sobrevivência, decorridas mais de 48 horas após o desabamento do prédio, são mínimas.

Amparo às vítimas do incêndio

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (3) que, até o momento, apenas 56 famílias comprovaram que viviam na ocupação da antiga sede da Polícia Federal e receberão auxílio-moradia durante um ano, cujo valor será de R$ 1.200 no primeiro mês e de R$ 400 a partir do segundo. Ontem, contudo, a prefeitura havia informado que os assistentes sociais haviam cadastrado um total de 169 famílias.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.