Tamanho do texto

Defesa Civil interditou três prédios no entorno do edifício que desabou no centro da cidade; eles terão de passar por reformas antes de ser reabertos

Bombeiros continuam trabalho após incêndio no prédio que desabou no Centro de São Paulo
Reprodução/TV Globo
Bombeiros continuam trabalho após incêndio no prédio que desabou no Centro de São Paulo

Três prédios, além de uma igreja, ficaram “comprometidos” após o incêndio e o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, na região central de São Paulo, na madrugada de terça-feira (1).

Leia também: Em vídeo, Boulos defende os sem-teto e exige investigações sobre incêndio em SP

A avaliação é da Defesa Civil de São Paulo, que realizou uma vistoria, na tarde desta quarta (2), nos prédios que ficam no entorno do Largo do Paissandu , onde aconteceu o acidente.

Eles foram atingidos por chamas e destroços do prédio e, por isso, foi determinada a interdição e evacuação destes edifícios. Embora comprometidos, contudo, eles não correm o risco iminente de desabar. Mas há a chance de o reboco, a parte hidráulica e elétrica cair, causando acidentes.

Estruturalmente, portanto, o comprometimento não foi grave. Os prédios terão de passar por reformas antes de serem reavaliados pela Defesa Civil. Só então poderão ser reabertos, o que não tem previsão para acontecer.

Leia também: Morador estava sendo resgatado pelos bombeiros quando prédio desabou em SP

Onde doar

As famílias que ficaram desalojadas após o incêndio e o desabamento de um prédio ocupado por movimentos sociais no Largo do Paissandu se organizam para receber doações em dois endereços na região central da cidade.

O primeiro deles é na rua Mauá, 340, onde residem famílias que também militam no movimento dos sem teto. O segundo endereço é na rua Benjamin Constant, 170, outro edifício ocupado no centro de São Paulo.

 A orientação dos movimentos sociais no local é que as doações sejam feitas diretamente às famílias desalojadas. Parte dos antigos moradores do prédio que desabou estão concentrados também no Largo do Paissandu, onde também é possível fazer doações.

Como a maior parte das famílias ainda não foi alocada, a prioridade é por itens de primeira necessidade. Os moradores necessitam, sobretudo, de:

- fraldas e materiais e higiene pessoal;

- roupas infantis e roupas para adultos;

- cobertores e colchonetes;

- água e leite;

- marmitas e alimentos não perecíveis.

Leia também: Temer é hostilizado em passagem rápida por local do desabamento de prédio em SP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.