undefined
Roberto Coletta/ Arquivo pessoal
Paulo de Araújo, que é presidente da Câmara Municipal, está no cargo de prefeito de Bariri como interino desde 2017

O prefeito interino de Bariri (SP), Paulo Henrique de Araújo, foi expulso sumariamente do PSDB. A decisão desta segunda-feira (27) foi do presidente do diretório estadual do partido em São Paulo, deputado estadual Pedro Tobias. Araújo foi preso no último sábado (21) sob a suspeita de abusar sexualmente de uma garota de oito anos.

Leia também: Artista que foi preso em ação contra milícia no Rio pede justiça a inocentes

Para o presidente do diretório estadual, os fatos narrados na prisão de Araújo tornam impossível sua atuação pelo PSDB e ferem a conduta ética exigida dos membros do partido. "O PSDB de São Paulo informa que expulsou sumariamente o prefeito interino de Bariri , Paulo Henrique de Araújo. O partido se solidariza à vítima e sua família e espera que o caso seja esclarecido e o culpado, punido”, disse a legenda em nota oficial.

O agora ex-tucano, que é presidente da Câmara Municipal, está no cargo de prefeito como interino desde o início de 2017, quando o ex-prefeito e o vice da cidade foram barrados na Lei da Ficha Limpa após as eleições de 2016, em que se sagraram vencedores.

Leia também: CNJ vai julgar amanhã ação contra Moro por grampo de conversa entre Lula e Dilma

Acusação

Segundo a Polícia Militar (PM), o suspeito abusou sexualmente de uma menina de oito anos, que havia saído de casa na manhã do último sábado para comprar pão. No caminho, o prefeito teria colocado a garota no carro e a levado para um lugar afastado da cidade.

A menina conseguiu fugir e com a ajuda de populares foi levada para casa. No local para onde ela foi levada pelo suspeito, os policiais encontraram um carro tombado numa valeta e o prefeito “bastante alterado”. Ele foi detido e reconhecido, por fotografia, pela garota. De acordo com a Polícia Militar, a confirmação de conjunção carnal depende de exame médico.

Leia também: Reconstituição do assassinato de Marielle Franco é marcada para maio

Segundo o Ministério Público, o prefeito está em prisão preventiva. O advogado do prefeito, Edson Reis, não foi encontrado. A prefeitura de Bariri não retornou os contados da reportagem.

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

      Mostrar mais