Tamanho do texto

PM interditou trecho da via, próximo à Faculdade Cásper Líbero; agressora foi levada para o 78º DP, no bairro dos Jardins e vítima não sofreu ferimentos

Bloqueio em torno da refém foi feito para que negociações ocorressem de forma ‘tranquila’, e impedir tráfego de pessoas
Reprodução/Rádio Trânsito
Bloqueio em torno da refém foi feito para que negociações ocorressem de forma ‘tranquila’, e impedir tráfego de pessoas

Uma mulher foi feita refém na Av. Paulista , uma das principais vias de São Paulo , no início da tarde desta quinta-feira (5). O episódio explodiu quando outra mulher, que não foi identificada, começou a ameaçá-la com uma faca na frente de um ponto de ônibus, próximo a Faculdade Cásper Líbero. A Polícia Militar foi avisada sobre o ocorrido por volta das 12h15 e o episódio durou cerca de 45 minutos.

Leia também: Julgamento de habeas corpus de Lula ganha destaque na mídia internacional

Perto das 13h, depois do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) e do Corpo de Bombeiros interditarem um trecho da via, no sentido Paraíso, a agressora aceitou largar a  refém e entregar a faca aos policiais. Após isso, ela foi encaminhada ao 78º Distrito Policial, no bairro dos Jardins, que investigará o caso.

Libertação da refém e registros em vídeo

Na ação, os policiais chegaram a negociar com a agressora a libertação da vítima. O bloqueio foi feito em torno da refém para que as negociações ocorressem de forma ‘tranquila’, e para evitar a passagem de pedestres pela região. Um trecho da negociação chegou a ser gravado por pedestres que passavam no local.

A moça que estava como refém foi levada ao pronto-socorro do Hospital das Clínicas por conta do abalo emocional sofrido no ataque, porém não sofreu ferimentos. Segundo informações da TV Globo , a PM disse que as envolvidas no ocorrido não se conheciam e que, durante as negociações, a agressora repetia "estar fazendo aquilo para aparecer na mídia".




Leia também: Bêbados caem nos trilhos do metrô e quase são atropelados; assista o vídeo

A polícia informou ainda que quatro viaturas foram enviadas ao local e garantiu que ninguém ficou ferido. Além disso, comunicou que, aparentemente, a vítima que foi feita refém foi escolhida de forma aleatória no ponto de ônibus. A faixa de isolamento foi retirada do trecho 15 minutos depois da ação, quando uma multidão já se apoiava sobre ela, depois de acompanhar o caso.