Tamanho do texto

Placas da Avenida Rio Branco, no Rio, foram adesivadas com o nome "Rua Marielle Franco"; novos protestos estão marcados para os próximos dias

Ato no Rio reúne milhares por vereadora Marielle Franco (PSOL)
Reprodução/Facebook
Ato no Rio reúne milhares por vereadora Marielle Franco (PSOL)

Uma manifestação honrando a memória e denunciando a execução da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes reuniu milhares de pessoas no centro do Rio de Janeiro na noite desta terça-feira (20).

Leia também: CNJ abre processo contra desembargadora que difamou Marielle Franco

Acompanhada por um carro de som, os manifestantes se reuniram na praça em frente à Igreja da Candelária e seguiram pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia, onde fica a Câmara Municipal. Lá, realizou-se um ato ecumênico, em ato foi aberto que contou com uma apresentação da Orquestra Música pela Democracia .

Empunhando cartazes cobrando justiça e trajando camisetas estampadas com o rosto de Marielle, os manifestantes lembraram a luta da vereadora pelo direito da população negra, pobre, moradores de favelas e LGBTs . Do alto do carro de som, lideranças de movimentos sociais gritavam frases como "Marielle vive, favela resiste e vidas negras importam".

Companheiro de partido de Marielle, o deputado federal Glauber Braga, discursou e exigiu apuração rápida do crime. "O medo não prevalecerá sobre a nossa resistência, neste estado de exceção", disse o deputado.

Leia também: Rio precisa de triplo de recursos prometidos por Temer, estima general

Membros de outros partidos como Cyro Garcia (PSTU) também defenderam a necessidade de se identificar quem matou e quem mandou matar Marielle. "As balas que mataram Marielle não vão nos calar. Nossa juventude negra está exposta a uma pena de morte informal", disse Garcia.

A esposa de Anderson, Ágatha Reis, marcou presença e lembrou a violência diária que toma lugar no Rio de Janeiro. "Nós representamos as pessoas que saem de casa todo dia e não sabem se vão voltar", disse Ágatha. Também discursaram parentes de jovens mortos em chacinas ou em confrontos com a polícia. Muitos desses crimes seguem até hoje sem solução.

Durante o ato, as placas de identificação da Avenida Rio Branco foram adesivadas com o nome "Rua Marielle Franco".

Anderson Gomes e Marielle Franco foram executados a tiros na noite da última quarta-feira (14), no bairro do Estácio, após serem perseguidos por dois carros, desde a Lapa, onde a vereadora participou de seu último compromisso político.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Freixo reclama de fake news contra Marielle Franco e advogadas reúnem denúncias