Tamanho do texto

Prefeito do Rio afirmou que material resistiu a tiros de fuzil durante testes; medida foi anunciada após morte de aluna por bala perdida no ano passado

Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, ao lado do prefeito Marcelo Crivella
Shana Reis/Governo do Estado do Rio de Janeiro - 5.1.17
Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, ao lado do prefeito Marcelo Crivella

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, garantiu neste sábado (3) que começará a aplicação de argamassa blindada em escolas municipais em "algumas semanas". A ideia visa evitar que balas perdidas atinjam alunos e funcionários e foi anunciada pelo prefeito em abril do ano passado, logo após a morte menina Maria Eduarda da Conceição, de 13 anos , durante operação policial em Acari.

Estudante Maria Eduarda Alves, morreu aos 13 anos de idade ao ser atingida por três tiros em escola na zona norte do Rio
Reprodução/Facebook
Estudante Maria Eduarda Alves, morreu aos 13 anos de idade ao ser atingida por três tiros em escola na zona norte do Rio

“Fizemos testes na Polícia Militar e hoje ela [argamassa] está sendo testada na Polícia Civil. Testamos de maneira não oficial na Polícia Militar, e ela resistiu a tiros de fuzil a 15 metros. Agora estamos testando na Polícia Civil. Logo, logo, vai estar sendo usada. Acho que nas próximas semanas”, disse Marcelo Crivella .

A argamassa importada para blindar as escolas municipais cariocas é produzida nos Estados Unidos. O prefeito do Rio de Janeiro não informou o valor investido na aquisição do produto de alta resistência.

Leia também: Forças Armadas levam 1.400 soldados para ação na Vila Kennedy, no Rio

Maria Eduarda

A estudante Maria Eduarda morreu ao ser atingida por três tiros dentro da quadra da Escola Municipal Jornalista Daniel Piza, na zona norte do Rio. Os disparos acertaram o pescoço (duas vezes) e a nádega da estudante, que tinha 13 anos de idade.

O exame de necrópsia realizado pela Polícia Civil aponta que os disparos partiram de um fuzil e vieram da mesma direção. No momento da morte da menina Maria Eduarda, um confronto entre policiais e bandidos ocorria do lado de fora da escola.

Leia também: MPF pede condenação de Eike Batista por uso de informação privilegiada

*Com informações da Agência Brasil