Tamanho do texto

Michelle Ramos da Silva Nascimento estava grávida de oito meses quando foi atingida após sofrer uma tentativa de assalto na cidade de Belford Roxo

Michelle estava com o marido Wallissom Silva de Araújo ao sofrer a tentativa de assalto no Rio de Janeiro
Reprodução/Facebook
Michelle estava com o marido Wallissom Silva de Araújo ao sofrer a tentativa de assalto no Rio de Janeiro

O estado de saúde de Michelle Ramos da Silva Nascimento, de 33 anos, baleada na cabeça neste sábado (13), é gravíssimo, de acordo com informações passadas por médicos. Ela estava grávida de oito meses quando foi atingida numa tentativa de assalto em Belford Roxo, no Rio de Janeiro. Ela está internada no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), município vizinho a Belford Roxo.

Leia também: Suspeito de matar delegado no Rio de Janeiro tem prisão decretada

De acordo com o hospital, Michelle está no Centro de Tratamento Intensivo. No sábado, ela foi atendida na emergência e teve de passar por uma cirurgia para descompressão craniana. Ao mesmo tempo, as equipes de pediatria, obstetrícia e enfermagem da Maternidade Mariana Bulhões realizaram a cirurgia para o parto cesariana. O estado do bebê ainda preocupa os médicos.

Leia também: Avião derrapa, cai em barranco e deixa passageiros em pânico na Turquia

Segundo o HGNI, "o bebê, do sexo masculino, foi transferido de ambulância com UTI móvel para a Maternidade Municipal Mariana Bullhões, em Nova Iguaçu, entubado. O estado de saúde ainda é grave. A criança segue internada na UTI neo-natal da maternidade". Neste domingo (14), o diretor do hospital, Joé Sestello, afirmou que a equipe obstetra e a de neurocirurgia atuaram em conjunto para tentar salvar as duas vidas.

"A mãe encontra-se em estado grave, porém ainda estável, sem nenhuma intercorrência e com sinais vitais, pressão, frequência, estabilizados. [Ela está] Muito sedada ainda, porque faz parte do tratamento da neurocirurgia manter sedada por causa da lesão cerebral. A criança, infelizmente, está muito grave, já com sinais de instabilidade, pressão oscilando e tem extrema gravidade", disse Sestello à imprensa.

Segundo ele, o bebê deverá apresentar sequelas por conta do ocorrido. "Infelizmente é o reflexo da nossa violência, encontrar lesões graves dessa maneira com sequelas. Ainda é precoce para dizer o tipo de sequela que o bebê vai ter", afirmou.

Leia também: Terremoto de 7,1 graus de magnitude atinge o Peru e deixa ao menos dois mortos

Michelle não foi a primeira grávida vítima da violência no Rio de Janeiro. Em dezembro do ano passado, Karolyne Nunes de Almeida Alves, de 19 anos, foi baleada no Complexo do Alemão, na zona norte da cidade. No quinto mês de gestação, ela acabou perdendo o bebê. Semanas depois do ocorrido, Karolyne morreu por conta de um agravamento do quadro de saúde.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.