Tamanho do texto

Nove presos morreram e 14 ficaram feridos em rebelião no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na última segunda-feira (1º); no motim desta quinta-feira (4), ninguém ficou ferido

Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia teve nova rebelião
Reprodução/TV Globo
Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia teve nova rebelião

Uma nova rebelião teve início na noite desta quinta-feira (4) na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia , na região metropolitana da capital. O motim é o segundo da semana. A informação foi confirmada pelo governo de Goiás por meio de nota, que informou que a situação já está controlada e que não houve mortes nem feridos.

Leia também: Com nove presos mortos, Goiás revive trauma das rebeliões de início de ano

Segundo o texto, houve uma tentativa de invasão de presos da ala C nas alas A, B e D do complexo, mas o serviço de inteligência estava acompanhando a movimentação e conseguiu conter o motim. “O serviço de inteligência policial da SSP já monitorava a ação dos presos e a tentativa de rebelião foi rapidamente controlada. Não houve mortes nem feridos. Uma fuga foi registrada”, diz a nota.

Também houve tentativa de explosão de uma granada e troca de tiros, mas as forças policiais agiram, segundo o texto, de forma “enérgica”, e a situação foi contida. A nota também informou que a Polícia civil já está com as “investigações em estágio avançado na apuração dos fatos que ocasionam tumultos no presídio nos últimos dias”.

No 1° dia do ano, confronto entre grupos criminosos rivais deixou nove mortos e 14 feridos, e entre foragidos e recapturados, 242 detentos fugiram do Complexo de Aparecida de Goiânia, de acordo com a Superintendência de Administração Penitenciária de Goiás.

Leia também: Facções promovem carnificina com 56 mortos no maior presídio do Amazonas

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, fará uma inspeção no local na próxima segunda-feira (8). O motim do dia 1° levou a ministra a determinar, na terça-feira (2), que o Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) enviasse ao conselho, em 48 horas, relatório com informações sobre as condições do presídio.

Representantes do Tribunal de Justiça de Goiás, do Ministério Público e da Defensoria Pública estaduais e da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO) inspecionaram o Complexo na quarta-feira (3). Integrantes da comitiva foram informados por presos e funcionários que uma rixa entre membros de grupos rivais foi a causa do confronto.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.