undefined
Divulgação/Secretaria de Segurança do RJ
Megaoperação com forças de segurança: militares estão em pontos estratégicos e polícias buscam criminosos nas favelas

Em uma megaoperação que envolve todas as forças de segurança do Rio de Janeiro , as Forças Armadas  agem em conjunto com as polícias estaduais em comunidades de São Gonçalo, na região metropolitana do estado, desde as primeiras horas desta terça-feira (7).

Leia também: Tiroteio na praia de São Conrado, no Rio de Janeiro, deixa três feridos

A ação tem como foco o tráfico de drogas na região. Para isso, os militares e policiais ocupam o Complexo do Salgueiro e a comunidade do Anaia, segundo a Secretaria Estadual de Segurança. Outras forças de segurança estão envolvidas na ação, como a Força Nacional de Segurança, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

Os militares estão posicionados em pontos estratégicos no entorno das comunidades, enquanto as polícias buscam criminosos e armas dentro das favelas. Além disso, algumas ruas estão interditadas e o espaço aéreo está controlado, com restrições dinâmicas para aeronaves civis nas áreas onde há operação.

Apesar da megaoperação envolvendo o espaço aéreo, a Secretaria Estadual de Segurança garante que os aeroportos do Rio de Janeiro estão funcionando normalmente e que não houve nenhuma interferência na operação deles.

Leia também: Operação no Rio de Janeiro tem Forças Armadas no Complexo do São Carlos

Plano Nacional de Segurança Pública

A megaoperação desta terça é mais uma do Plano Nacional de Segurança Pública no Rio de Janeiro, iniciado no final de julho deste ano. Entre as ações já realizadas estão uma ocupação da comunidade da Rocinha, na zona sul da cidade, por uma semana, no final de setembro.

Segundo o chefe do Estado-Maior Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional, almirante Roberto Rossatto, até o final de outubro, a mobilização das Forças Armadas já havia custado cerca de R$ 25 milhões aos cofres públicos.

O cenário em algumas comunidades da capital fluminense é de guerra – e nem os policiais saíram ilesos: menos de duas semanas do comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar ter sido morto, um outro comandante da PM foi vítima de criminosos.

Leia também: PM do Rio faz buscas em quatro favelas após 115ª morte de policial no ano

O tenente-coronel Valdeci Santos de Lima, comandante do 39º BPM, foi assaltado na Rua Tinharé, em Parada de Lucas, na zona norte, por homens armados. Segundo a PM, o oficial, que estava de folga, tentou fugir, mas os criminosos efetuaram disparos contra carro dele. O veículo foi recuperado, mas a arma do tenente-coronel que estava dentro do carro não foi recuperada.

As demais forças de segurança buscam auxiliar a PM no combate ao tráfico no estado.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários