Tamanho do texto

Militantes caminharam por cerca de nove horas para pedir desapropriação de terreno ocupado por cerca de 8.000 famílias há 45 dias em São Bernardo

Marcha do MTST do ABC Paulista até o Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, defende ocupação em São Bernardo
Divulgação/MTST
Marcha do MTST do ABC Paulista até o Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, defende ocupação em São Bernardo

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) chegaram no fim da tarde desta terça-feira (31) ao Palácio dos Bandeirantes, a sede do Governo do Estado de São Paulo, no bairro do Morumbi, após cerca de nove horas de marcha num percurso de aproximadamente 23 quilômetros a partir do ABC. O objetivo dos manifestantes é cobrar da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) apoio à desapropriação do terreno onde cerca de 8.000 famílias (segundo estima o próprio movimento) estão acampadas há cerca de 45 dias em São Bernardo do Campo .

De acordo com o MTST , aproximadamente 10 mil pessoas participam da caminhada que teve início às 7h desta manhã a partir do terreno onde está instalada a megaocupação batizada de Povo Sem Medo, no bairro Planalto, em São Bernardo. 

Principal liderança do movimento, o coordenador Guilherme Boulos afirmou em vídeo divulgado nas redes sociais que o ato visa, além de pedir a desapropriação do terreno, cobrar investimentos em moradias populares.

"Vamos cobrar do governo Alckmin que desaproprie o terreno da ocupação Povo Sem Medo em São Bernardo. Milhares de famílias que não têm mais condições de pagar alguel e são afetadas pelo desemprego, pela crise, ocuparam esse terreno por não ter mais alternativas. Além da desapropriação, vamos cobrar a retomada de política habitacional no estado de São Paulo. Essa política que está parada dependendo de recurso do governo federal que, evidentemente, não veio", disse Boulos.

A área de 70 mil metros quadrados ocupada pelos militantes pertence à incorporadora MZM e, de acordo com o movimento dos sem-teto, estava abandonada há 40 anos. O grupo também alega que os proprietários do terreno devem ao governo mais de R$ 500 mil em IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

Leia também: Senado vota hoje projeto que propõe novas regras para motoristas de aplicativos

Caetano Veloso barrado

Um grupo de artistas liderados por Caetano Veloso esteve na megaocupação Povo Sem Medo nessa segunda-feira (30) para expressar apoio aos sem-teto. O cantor e compositor baiano, no entanto, foi impedido de fazer um show no acampamento por força de decisão judicial.

A juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de São Bernardo, alegou ao impedir a apresentação que o local não possui estrutura para a realização de shows e que, portanto, haveria riscos para a segurança do público, "ainda mais de artista tão querido por interpretar canções lindíssimas, com voz inigualável".

A marcha desta terça-feira e o ato artístico de ontem se somam a uma série de episódios polêmicos envolvendo o mega-acampamento no ABC Paulista, que já é a maior ocupação urbana de São Paulo. No mês passado, por exemplo, um militante do MTST foi ferido durante ataque a tiros à ocupação.

Moradores dos bairros Planalto e Assunção, áreas nobres de Sã Bernardo do Campo vizinhas ao terreno ocupado, também criaram o chamado Movimento Contra Invasão (MCI) para cobrar a reintegração de posse da área. Líderes do grupo alegam que os militantes do MTST representam riscos à segurança dos moradores da região e usam drogas e praticam sexo explícito no local.

Ocupação do MTST em São Bernardo do Campo
GicaTV/Mídia NINJA
Ocupação do MTST em São Bernardo do Campo

Leia também: Rituais, tradições e costumes africanos são fonte de inspiração em editorial

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.