Tamanho do texto

Indivíduos armados tentaram romper bloqueio do cerco estabelecido pelas Forças Armadas nas proximidades da Rua General Olímpio Mourão Filho

Além de fuzil AK47, polícia do Exército apreendeu outras armas e carregadores em operação na Rocinha
Divulgação/Polícia do Exército
Além de fuzil AK47, polícia do Exército apreendeu outras armas e carregadores em operação na Rocinha

A comunidade da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, foi palco de mais um tiroteio na madrugada deste sábado (23). Segundo informações divulgadas pela Assessoria de Comunicação Social do Estado-Maior Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública, indivíduos armados tentaram romper bloqueio do cerco estabelecido pelas Forças Armadas nas proximidades da Rua General Olímpio Mourão Filho por volta das 4:30.

Leia também: "O Rio não está em guerra", diz secretário de segurança do Estado após dia tenso

A Polícia do Exército prendeu quatro ocupantes de um veículo e apreendeu um fuzil AK47 calibre 7,62mm com numeração raspada, além de outras armas, carregadores, rádios transmissores, documentos, cadernos de anotações, drogas e dinheiro. Os suspeitos e o material apreendido foram entregues à 11ª Delegacia de Polícia, na Rocinha

Na abordagem, a polícia chegou a prender um quinto homem, mas depois foi descoberto que ele era um motorista que tinha sido rendido. Após ter prestado depoimentos, ele foi liberado. 

Ocupação

O início da operação aconteceu por volta das 16:10 da última sexta-feira (22), quando primeiro contingente de homens da Forças Armadas chegou ao local. Cerca de 150 soldados do Exército e da Aeronáutica entraram na parte baixa da comunidade junto ao túnel Zuzu Angel.

Leia também: Em meio a conflitos, bandidos da Rocinha 'se exibem' na internet

O soldados foram acompanhados por policiais militares e alguns grupos se espalharam pelas principais ruas da localidade, no interior da favela. A missão principal das Forças Armadas é fazer um cerco à comunidade para apoiar as operações das polícias civil e militar.

Maior comunidade do Rio de Janeiro, a Rocinha é alvo de operações diárias da Polícia Militar desde o último domingo (17), quando houve confrontos entre grupos criminosos rivais pelo controle de pontos de venda da comunidade. Na manhã de sexta-feira, houve um tiroteio intenso entre policiais e criminosos, que provocou o fechamento da Autoestrada Lagoa-Barra, que liga o bairro de São Conrado à Gávea. Cinco escolas e três unidades de educação infantil da prefeitura fecharam as portas, deixando quase 2.500 alunos sem aulas.

Leia também: Polícia irá indiciar traficantes envolvidos em conflitos na favela da Rocinha

Recompensa por informações

O Portal dos Procurados do Disque Denúncia divulgou uma recompensa de R$ 1 mil por informações dos suspeitos de envolvimento nos confrontos da Rocinha. Além disso, as autoridades também oferecem recompensa de R$ 30 mil pela captura do traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que teve prisão temporária decretada na última quinta-feira (21). Ele é acusado de disputar o controle do tráfico na comunidade com Antonio Bonfim Lopes, o Nem, preso na Penitenciária Federal de Porto Velho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas