Tamanho do texto

Em último dia de trabalho, Cabo Evangelista representou comprometimento da Polícia Militar com a população ao prender um procurado da Justiça

São 20 anos na Polícia Militar do Estado de São Paulo, 18 deles só na Cavalaria da PM. A história de vida do Cabo Evangelista se confunde com a do Regimento de Polícia Montada - 9 de julho, expoente do combate ao crime no País.

Leia também: Polícia Militar Ambiental acolhe filhote de onça resgatado no interior de SP

 Soldado Jordan o Cabo Evangelista e o Soldado Tadeu
Divulgação/Cavalaria da PM
Soldado Jordan o Cabo Evangelista e o Soldado Tadeu


Você pode imaginar que durante seu último dia de trabalho, talvez, exista algum tipo de relaxamento. Ainda mais quando falamos de um trabalho que exija arriscar a própria vída. Mas quando o Cabo Evangelista vestiu sua farda e saiu em patrulha com sua equipe da Cavalaria da PM , a criminalidade poderia ter certeza que iria bater de frente com o mesmo compremetimento do início da carreira. Entenda por que com a Polícia Militar, todo dia é dia de trabalho:

Ocorrência 1: notícia ruim

Na tarde desta terça-feira (8), a patrulha formada pelo Cabo Evangelista, Soldado Jordan e Soldado Tadeu tive a missão de dar uma notícia nada boa para um foragido da justiça. Durante patrulhamento na Praça Ramos de Azevedo, a equipe notou que um suspeito tentou fugir assim que viu os Policiais. "Assim que os nosso policiais entraram na praça, eles notaram que esse homem tentou sair andando, meio que disfarçado. Mas os PMs conseguiram abordar e durante a pesquisa no nosso sistema, ficou provado que ele era procurado pela Justiça", revelou o Tenente Paolini.

Leia também: Rocam é muito mais rápida que o crime nas ruas de São Paulo

De acordo com o Tenente, o suspeito sabia que devia para a Justiça, mas que é comum os criminosos que estão respondendo em liberdade não comparecerem nas audiências e
acabarem solto pelas ruas até serem capturados. "Essas pessoas não comparecem na audiência, são condenadas e acabam como procuradas. Ele não esperava é encontrar com
Cabo Evangelista, que no seu último dia não deixou de patrulhar, abordar, prender e fazer o papel dele de polícia", finalizou o Tenente Paolini.

O suspeito vai responder por furto e foi encaminhado para o 3° Distrito Policial.

Ocorrência 2: fugiu a Cavalaria prende

O Regimento de Polícia Montada - 9 de julho tem 190 animais que atuam em cojunto com os PMs no combate ao crime de São Paulo. A equipe formada pelo Sargento Marion, Cabo Bedoia e Soldado Lucio fazia um patrulhamento de rotina pelo centro da capital quando teve mais uma oportunidade de provar a eficiência da união entre o homem e o animal.

"Os Policiais estavam em patrulhamento pela Alameda Barão de Limeira com a rua Ribeiro da Silva, quando um homem ao avistar a patrulha tentou fugir. O homem foi abordado e durante a entrevista falou que não devia nada para a Justiça. Mas quando fizemos a pesquisa no sistema, ele acabou constando como procurado por furto. Daí, ele acabou confessando que era procurado, após ser preso por furto a residência. Ele deixou o CDP de Belém em um saidinha e não voltou" contou o Tenente Paolini.

Leia também: Rocam prende três bandidos em uma noite só

O homem foi encaminhado para o 77° Distrito Policial e vai responder pelo furto.

As duas ocorrências deixam claro duas coisas: primeira, a criminalidade não tem descanso nem no último dia de serviço de um Policial da Cavalaria da PM. Segunda, a união entre o PM e o cavalo deixa o campo de visão muito mais amplo, assim o Policial consegue ver de longe as atitudes suspeitas dos criminosos. Não tem jeito, a casa caiu ladrão!

Soldado Lúcio, Sargento Marion e Cabo Bedoia
Divulgação/Cavalaria da PM
Soldado Lúcio, Sargento Marion e Cabo Bedoia