Tamanho do texto

Tumulto se deu por volta do meio-dia desta segunda num dos pátios do CDP de Pinheiros; grupo especializado entrou na unidade para conter os internos

Grupo de Intervenção Rápida da SAP foi acionado para conter rebelião no Cadeião de Pinheiros
Reprodução/TV Globo
Grupo de Intervenção Rápida da SAP foi acionado para conter rebelião no Cadeião de Pinheiros

Um grupo de presos do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, conhecido como o Cadeião de Pinheiros, atearam fogo em colchões durante princípio de rebelião ocorrido por volta do meio-dia desta segunda-feira (24).

Leia também: Frio intenso deixa São Paulo, e tempo seco predomina durante a semana

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária confirmou que houve "ato de indisciplina" em uma das unidades do Cadeião de Pinheiros . Segundo a pasta, o Grupo de Intervenção Rápida (GIR) foi acionado e entrou na unidade "para restabelecer a ordem". Ninguém foi feito refém no episódio e, até o momento, não há informações de feridos.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e já conteve as chamas no local. Ainda não foram divulgadas informações a respeito das motivações que desencadearam a rebelião.

A rebelião desta manhã ocorreu no ASP Vicente Luzan da Silva, chamado CDP Pinheiros I , uma das quatro unidades do complexo prisional. De acordo com o governo paulista, a unidade tem capacidade para receber 521 internos e atualmente abriga 1.383 detentos.

Localizada ao lado da Marginal Pinheiros, essa unidade do Cadeião de Pinheiros é destinada a presos em regime fechado e em regime provisório.

O Grupo de Intervenção Rápida é uma força especial da SAP integrada por servidores de diferentes unidades prisionais. De acordo com a resolução que regulamenta esse grupo, o GIR tem como funções realizar "revistas especiais em celas e demais dependências para localização de armas de fogo, aparelhos de telefonia móvel celular, drogas, outros objetos não permitidos e túneis; combate a movimentos de indisciplina, revoltas, motins, rebeliões e tentativas de fugas; remoção interna de presos e demais atividades dessa natureza".

O governo estadual determina que a atuação do GIR seja "pautada pelo uso escalonado da força, de maneira estritamente não letal, com técnicas próprias e equipamentos destinados especificamente a esse fim".

Leia também: Caminhão capota e atinge casa na zona norte de São Paulo

Confira a íntegra da nota da Secretaria da Administração Penitenciária sobre a rebelião no CDP:

Na manhã de hoje (24), presos do Centro de Detenção provisória de Pinheiros I se envolveram em um ato de indisciplina, ateando fogo em colchões.

O Grupo de Intervenção Rápida (GIR) da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) foi acionado e entrou na unidade para restabelecer a ordem.

Não há reféns e por enquanto não há informações de feridos.

Leia também: Emissão de passaportes é retomada hoje; 175 mil pedidos foram acumulados 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.