Tamanho do texto

Simone Scheuer trabalhava na área de limpeza em navio e teria sumido após um desentendimento com o chefe e de terminar um namoro com colega

Desaparecimento na Itália: Colegas da brasileira afirmaram que perceberam a ausência de Simone na madrugada
Facebook/ Simone Scheuer
Desaparecimento na Itália: Colegas da brasileira afirmaram que perceberam a ausência de Simone na madrugada

Uma brasileira de 35 anos está desaparecida desde o último domingo (18), quando participava de um cruzeiro na Itália. Simone Scheuer Sousa trabalhava na área de limpeza do MSC Musica e desapareceu misteriosamente quando o transatlântico estava atracado em Veneza, no nordeste italiano.

Leia também: Acusada de roubo a bancos, 'loira do crime' é presa pela segunda vez no MT

Colegas da brasileira afirmaram que perceberam a ausência de Simone na madrugada seguinte, quando o navio já estava em mar aberto, navegando rumo a Brindisi, uma comuna na Itália .

Há relatos de que Simone teria sumido após um desentendimento com seu chefe e depois de ter terminado um namoro de dois anos com outro colega. Mas, em entrevista à Ansa, Manoel Sousa, pai da vítima, disse não ter conhecimento sobre eventuais ameaças contra a filha.

"A gente não ficou sabendo. Teve um bate-boca com o supervisor dela, mas são coisas de serviço", conta o pai, que afirma estar "arrasado", sem encontrar algo que justifique o desaparecimento. "Não tem nada, minha filha tem cabeça", garante.

Maricelma Cavenaghi, que foi chefe de Simone durante três anos em uma clínica de fisioterapia em São Paulo, disse ter ficado surpreendida com a hipótese do desaparecimento da brasileira estar ligado a alguma desavença.

"Você podia falar e falar que não tirava ela do sério. E se você a tirava do sério, ela ficava quieta. Me surpreendeu essa história de desavença. Ela é extremamente calma, tranquila, sorridente, falava baixo. Quando dizia 'oi', já estava com um sorriso aberto, não tinha tristeza", salienta a fisioterapeuta.

Leia também: Ato de servidores contra pacote de ajuste fiscal em Curitiba deixa feridos

Simone trabalhou no setor administrativo da clínica de Maricelma durante 2005 e 2007 e, mesmo depois de trocar de emprego, fazia visitas frequentes à ex-chefe. A última delas foi em abril do ano passado, quando já era funcionária da MSC. "Ela é uma pessoa extremamente boa, com coração enorme, muito carinhosa. É evangélica, centrada e muito família", afirma Maricelma.

Investigação

O MSC Musica realiza neste verão europeu uma rota circular pelo mar Mediterrâneo, passando por Grécia e Montenegro, além de Veneza e Brindisi. Nesta quarta-feira (21), o navio navega entre as cidades gregas de Santorini e Pireu.

Em contato com o iG , a MSC Cruzeiros informa que, no dia 19, à 00h53 da madrugada (horário local da Itália – 7h53 de Brasília), foi constatado o desaparecimento de uma tripulante brasileira embarcada no MSC Musica, enquanto o navio navegava no mar Adriático, de Veneza para Brindisi. Assim, o transatlântico teria alertado o Centro de Salvamento Marítimo da Guarda Costeira Italiana e retornado ao seu curso original para realizar operações de busca no mar, juntamente com outras embarcações que estão na região. Ao mesmo tempo, a equipe de segurança do navio também efetuou buscas a bordo. 

“Estamos acompanhando a situação de forma muito próxima e no mais alto nível da companhia, por envolver um de nossos tripulantes. Desde o primeiro momento, estamos trabalhando em estreito contato com as autoridades locais e com a família para prestar o suporte necessário. Infelizmente, até o momento não há novas informações”, informa Adrian Ursilli, Diretor Geral da MSCCruzeiros do Brasil.

A última vez que Manoel e Simone conversaram foi na quinta-feira passada (15), três dias antes do sumiço, e nada aparentava algo fora da normalidade. "Infelizmente, estamos aguardando. Estamos aqui na expectativa, foi ontem [20] que teve todo o rebuliço. Na quinta-feira, ela falou que estava normal. A gente fica arrasado, mas até agora não temos nada de informações concretas", diz o pai.

Leia também: Filho de Ivo Pitanguy se livra da prisão em sentença por morte de operário no RJ

A família mora na zona sul de São Paulo (SP) e está acompanhando o caso à distância. Na Itália, as investigações são coordenadas pela Guarda Costeira, que ainda não deu notícias sobre o possível paradeiro da brasileira. Até o momento, a tripulante continua desaparecida e todas as frentes de investigação realizadas com as autoridades marítimas seguem​ em andamento.

* Com informações e reportagem da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.