Juíza do TJ-RJ substituiu pena de 4 anos e 8 meses de prisão por prestação de serviços e pagamento de multa de R$ 300 mil; empresário Ivo Nascimento de Campos Pitanguy causou a morte de operário em atropelamento em 2015

Filho de Ivo Pitanguy chegou a ser preso após a morte de operário no Rio, mas foi liberado após pagar fiança de R$ 100 mil
Reprodução/TV Globo
Filho de Ivo Pitanguy chegou a ser preso após a morte de operário no Rio, mas foi liberado após pagar fiança de R$ 100 mil

O empresário Ivo Nascimento de Campos Pitanguy, filho do cirurgião plástico Ivo Pitanguy, foi condenado a 4 anos e 8 meses de prisão pelo atropelamento e morte do operário José Fernandes da Silva , ocorrido em agosto de 2015 na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro.

Apesar da sentença, o filho de Ivo Pitanguy teve a pena convertida para a prestação de serviços e pagamento de multa, já que o atropelamento foi considerado crime culposo, ou seja, quando não há a intenção de matar. Desse modo, a juíza Alessandra de Araujo Bilac Moreira Pinto, do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), determinou que o empresário deve prestar serviços em uma instituição especializada na recuperação de vítimas de acidentes de trânsito e pague multa no valor de R$ 300 mil.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público, o empresário estava "notoriamente embriagado" ao provocar o acidente que tirou a vida do trabalhador José Fernandes da Silva, por volta das 23h30 do dia 20 de agosto de 2015. A embriaguez de Ivo Nascimento Pitanguy foi atestada por testemunhas do acidente e por bombeiros que atenderam a ocorrência.

O operário estava na calçada da Rua Marques de São Vicente quando foi atingido pelo  Mitsubishi Pajero Dakar conduzido por Ivo Nascimento Pitanguy. José da Silva foi prensado entre o poste e o veículo e não sobreviveu aos ferimentos, morrendo aos 44 anos de idade.

Segundo o relato de testemunhas, o empresário se negou a prestar socorro ao operário – que chegou a ser atendido por médicos acionados por transeuntes – e tentou fugir do local, o que só não ocorreu devido à ação de pessoas que passavam pelo local e o impediram de escapar.

Antes de provocar a morte do operário, no período de 2010 a 2015, Ivo Nascimento de Campos Pitanguy já havia sido autuado 28 vezes por excesso de velocidade e foi flagrado em 13 ocasiões dirigindo sob a influência de álcool, de acordo com o Detran do Rio.

Leia também: Justiça aceita 11º denúncia feita pelo MPF contra o ex-governador Sérgio Cabral

"Apatia e arrogância"

Em sua sentença, proferida nesta segunda-feira (19), a juíza Alessandra de Araujo Bilac Moreira Pinto considerou que o empresário demonstrou "apatia e arrogância" após provocar o acidente que matou José da Silva e seu histórico de infrações no trânsito indicam seu "desapreço em relação à vida humana". 

"[Pitanguy] em nenhum momento demonstrou interesse em tomar conhecimento do estado da vítima ou remorso por ter tirado a vida de um homem que retornava de seu serviço. Pelo contrário, se mostrou desolado exclusivamente pelas avarias ao automóvel, insistindo em
indagar quem manteria a guarda do veículo enquanto era levado ao hospital", escreveu a magistrada em sua decisão.

Além de pagar multa de R$ 300 mil e ser obrigado a prestar serviços com carga horária de sete horas semanais, o filho de Ivo Pitanguy também teve a carteira de habilitação suspensa por quatro anos.

Local do acidente onde o filho de Ivo Pitanguy atropelou e matou o operário José da Silva, na zona sul do Rio
TV Globo/Reprodução
Local do acidente onde o filho de Ivo Pitanguy atropelou e matou o operário José da Silva, na zona sul do Rio


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.